Jornal do Brasil

Sábado, 18 de Novembro de 2017

País

Lula critica Doria: "Não respeita as pessoas humildes desse país"

"Só tem um jeito de resolver isso e é eles me enfrentarem nas eleições", disse petista

Jornal do Brasil

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez críticas nesta segunda-feira (16) à proposta do prefeito de São Paulo, João Doria, de alimentar a população de baixa renda com uma "ração" feita a partir de sobras de alimentos descartados pela indústria ou comércio.

"Estamos chegando em um momento em que precisamos recontar a História desse país e mostrar a verdade do que está acontecendo. O prefeito de SP resolveu na semana passada que o povo pobre tem que comer ração. Não respeita as pessoas humildes desse país", escreveu Lula, em sua conta no Twitter.

Petista criticou reforma trabalhista de Temer
Petista criticou reforma trabalhista de Temer

O petista disse, também, que, como presidente da República, sempre tratou as prefeituras do país com respeito. "Nunca antes na História um presidente tratou as prefeituras com o respeito que tratei de 2003 a 2010. Pode perguntar pra qualquer prefeito. Agora o PT não está mais no governo e o que aconteceu?", observou.

Lula lembrou da campanha da Fiesp (Federação das Indústrias de São Paulo) durante o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, e disse que não é o presidente da entidade, Paulo Skaf, quem está arcando com as consequências da crise política e econômica do pais. 

"Hoje cada casa tem um desempregado. O salário está diminuindo. Toda vez que gente lá de cima tentar resolver economia quem paga o pato é o povo. Toda vez que chega alguém e começa a cuidar dos pobres eles começam a derrubar essa pessoa. Quem paga o pato não é o Paulo Skaf, é o povo pobre. Quanto custava o gás de cozinha no meu governo? Fiquei oito anos sem aumentar", argumentou o ex-presidente.

>> Nem prefeito, nem presidente: Doria cai nas pesquisas e sofre desgaste

>> "Doria é um dos piores políticos que São Paulo já teve", ataca Alberto Goldman

>> Juiz diz que na Itália Moro não poderia julgar e sentenciar sozinho ex-presidente Lula

O petista afirmou, ainda, que o país "está sendo governado em benefício da classe alta" e fez comentários sobre a reforma trabalhista do governo de Michel Temer aprovada pelo Congresso Nacional. "Acabaram com os direitos trabalhistas que conquistamos em 1943", disse, em referência à CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

"Vão entregar a Petrobras em benefício de quem? Esse país está sendo governado em benefício da classe alta. Colocam a culpa no custo brasil. Compare o custo de um trabalhador americano. O que eles querem que é que não tenhamos mais direitos. Eles não admitem que a patroa seja obrigada a tratar a empregada doméstica com respeito".

Lula também criticou a operação em busca de drogas na casa de um de seus filhos e que resultou no afastamento do delegado responsável pelo caso. A polícia atendeu a uma denúncia anônima e, ao chegar ao local, não encontrou indícios de que havia drogas na casa. 

"Só tem um jeito de resolver isso e é eles me enfrentarem nas eleições", finalizou o petista, que é pré-candidato do Partido dos Trabalhadores à Presidência da República nas eleições de 2018.

Tags: 2018, brasil, candidatura, eleição, política, psdb, pt

Compartilhe: