Jornal do Brasil

Domingo, 20 de Agosto de 2017

País

Joesley Batista diz que conta-propina de Lula e Dilma tinha US$ 150 milhões

Jornal do Brasil

O empresário do grupo JBS Joesley Batista diz em seu acordo de delação premiada que existiria um esquema de propinas no BNDES nos governos de Lula e Dilma. O Dinheiro seria pago para garantir o sucesso de pleitos do grupo e o ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, seria o responsável por receber os pleitos e negociar o valor.

“Os saldos das contas vinculadas a Lula e Dilma eram formados pelos ajustes sucessivos de propina do esquema BNDES e do esquema-gêmeo, que funcionava no âmbito dos fundos Petros e Funcef. Esses saldos somavam, em 2014, cerca de 150 milhões de dólares”, aponta Joesley na delação.

A defesa do ex-presidente Lula diz que "verifica-se nos próprios trechos vazados à imprensa que as afirmações de Joesley Batista em relação a Lula não decorrem de qualquer contato com o ex-Presidente, mas sim de supostos diálogos com terceiros, que sequer foram comprovados".

>> Leia a íntegra e veja os vídeos da delação de executivos da JBS

"Esses saldos somavam, em 2014, cerca de 150 milhões de dólares”, disse Joesley na delação
"Esses saldos somavam, em 2014, cerca de 150 milhões de dólares”, disse Joesley na delação

A ex-presidente Dilma Rousseff também divulgou nota, afirmando que "jamais tratou ou solicitou de qualquer empresário, nem de terceiros doações, pagamentos ou financiamentos ilegais para as campanhas eleitorais, tanto em 2010 quanto em 2014, fosse para si ou quaisquer outros candidatos".

Dilma destaca ainda que "jamais teve contas no exterior". "Nunca autorizou, em seu nome ou de terceiros, a abertura de empresas em paraísos fiscais. Reitera que jamais autorizou quaisquer outras pessoas a fazê-lo."

Joesley diz que abriu tal conta depois de ter sido favorecido em negócios no BNDES, e que Mantega teria solicitado a abertura de uma outra conta. “Em reunião com Guido Mantega ocorrida no final de 2010, este pediu ao depoente que abrisse uma nova conta, que se destinaria a Dilma. O depoente perguntou se a conta já existente não seria suficiente para os depósitos dos valores a serem provisionados, ao que Guido respondeu que esta era de Lula, fato que só então passou a ser do conhecimento do depoente. O depoente indagou se Lula e Dilma sabiam do esquema e Guido confirmou que sim”, anotaram os procuradores na transcrição do depoimento.

Confira a nota do ex-presidente Lula, na íntegra: 

Nota

Verifica-se nos próprios trechos vazados à imprensa que as afirmações de Joesley Batista em relação a Lula não decorrem de qualquer contato com o ex-Presidente, mas sim de supostos diálogos com terceiros, que sequer foram comprovados. 

A verdade é que a vida de Lula e de seus familiares foi - ilegalmente - devassada pela  Operação Lava Jato. Todos os sigilos - bancário, fiscal e contábil - foram levantados e nenhum valor ilícito foi encontrado, evidenciando que Lula é inocente. Sua inocência também foi confirmada pelo depoimento de mais de uma centena de testemunhas já ouvidas - com o compromisso de dizer a verdade - que jamais confirmaram qualquer acusação contra o ex-Presidente. 

A referência ao nome de Lula nesse cenário confirma denúncia já feita pela imprensa de que delações premiadas somente são aceitas pelo Ministério Público se fizerem referência - ainda que frivolamente - ao nome do ex-Presidente. 

Cristiano Zanin Martins e Roberto Teixeira

Veja a nota da ex-presidente Dilma:

Sobre Joesley Batista

19 DE MAIO DE 2017

A propósito das notícias a respeito das delações efetuadas pelo empresário Joesley Batista, a Assessoria de Imprensa da presidenta eleita Dilma Rousseff esclarece que são improcedentes e inverídicas as afirmações do empresário:

1. Dilma Rousseff jamais tratou ou solicitou de qualquer empresário, nem de terceiros doações, pagamentos ou financiamentos ilegais para as campanhas eleitorais, tanto em 2010 quanto em 2014, fosse para si ou quaisquer outros candidatos.

2. Dilma Rousseff jamais teve contas no exterior. Nunca autorizou, em seu nome ou de terceiros, a abertura de empresas em paraísos fiscais. Reitera que jamais autorizou quaisquer outras pessoas a fazê-lo.

3. Mais uma vez, Dilma Rousseff rejeita delações sem provas ou indícios. A verdade vira à tona.

ASSESSORIA DE IMPRENSA

DILMA ROUSSEFF

Tags: Corrupção, Lula, dilma, doação, eleição, empreiteira, ex-presidente, ex-presidentes, justiça

Compartilhe: