Jornal do Brasil

Domingo, 22 de Abril de 2018 Fundado em 1891

País

Dono da JBS acusa Temer de pedir propina desde 2010

STF liberou conteúdo da delação de empresários nesta sexta-feira

Jornal do Brasil

O empresário Joesley Batista, dono do grupo JBS, apontou em um dos anexos de sua delação premiada à Procuradoria Geral da República (PGR), pedidos de pagamento de propina feitos pelo presidente, Michel Temer, durante as campanhas eleitorais de 2010 e de 2012.

As informações constam no Anexo 9, intitulado "Fatos diretamente corroborados por elementos especiais de prova Michel Temer". O documento, divulgado pelo portal "O Antagonista" e confirmado pelo jornal "Estado de São Paulo", embasou a autorização para abertura de inquérito contra o peemedebista pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

No arquivo, Joesley afirmou que conheceu Temer por meio do ex-ministro da Agricultura Wagner Ross do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em abril ou maio de 2010. "JB [Joesley Batista] e Temer trocaram, então, telefones celulares e passaram a manter relacionamento por interesses comum", aponta trecho do anexo.

Na delação, o empresário ainda relatou ao menos 20 encontros com o chefe de Estado. "Ora nesse escritório [de Temer, em São Paulo], em seu escritório de advocacia, ora na sua residência, ora ainda no palácio do Jaburu".

Segundo o documento, em 2010, "atendendo a um primeiro pedido de Temer", um dos donos da JBS pagou "R$3 milhões em propinas", sendo R$1 milhão por meio de doação oficial e R$2 milhões para a empresa Pública Comunicações, com notas fiscais. Na ocasião, Temer disputou sua primeira eleição como candidato a vice-presidente na chapa liderada por Dilma Rousseff. No mesmo ano, Joesley afirma ter feito o pagamento de R$240 mil à empresa Ilha Produções, também com registro em notas fiscais.

Mesmo com a polêmica delação, Temer negou, em pronunciamento, as acusações e afirmou que não irá renunciar à Presidência. "Sei o que fiz e sei a correção dos meus atos. Exijo investigação plena e muito rápida para os esclarecimentos ao povo brasileiro", ressaltou o presidente.

Nesta sexta-feira (19), O STF liberou o conteúdo na íntegra das delações premiadas dos empresários da JBS, no âmbito da Lava Jato. As delações foram homologadas pelo ministro Luiz Edson Fachin, relator da operação, e contém cerca de duas mil páginas.

As oitivas foram gravadas em vídeo.

Um dos principais pontos das delações revelados é a gravação de uma conversa entre Joesley e Temer, onde o presidente concorda com o pagamento de propina ao ex-deputado Eduardo Cunha, que está preso em Curitiba, para mantê-lo em silêncio.

A prova faz parte da investigação que foi aberta contra Temer na Suprema Corte. No arquivo, também foram citados os senadores Aécio Neve (PSDB-MG), afastado do cargo, e Zezé Perrella (PMDB-MG), além da ex-presidente Dilma e o ex-ministro Guido Mantega. 



Tags: Mantega, STF, Temer, gravação, jbs, joesley, país, política, provas

Compartilhe: