Jornal do Brasil

Terça-feira, 21 de Outubro de 2014

País

Alckmin sanciona lei que proíbe uso de máscaras em protestos em SP

Portal Terra

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) sancionou nesta sexta-feira a lei que proíbe o uso de máscaras por manifestantes em protestos de rua no Estado de São Paulo. Para ter eficácia, a nova lei precisa ser regulamentada, e o prazo legal para isso é de 180 dias. O governador, contudo, disse que não pretende esgotar o prazo e afirma que o detalhamento de como a Polícia Militar deverá agir pode sair ainda neste ano.

De acordo com Alckmin, o governo quer ouvir sugestões da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da sociedade civil e das associações de jornalistas para definir a regulamentação. O uso das máscaras, contudo, não será crime. “A lei não estabelece crime, ela estabelece que não pode usar máscara”, disse o governador em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

De acordo com o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Benedito Meira, que participou da coletiva, a regulamentação deverá estabelecer que os manifestantes mascarados retirem suas máscaras. “Em caso de recusa, poderá ser crime de desobediência”, afirmou.

O secretário da Segurança Pública, Fernando Grella, também presente na coletiva, disse que o objetivo da lei é “preservar a ordem pública e garantir o direito de manifestação”. “Por isso é que precisa se tomar um enorme cuidado nessa regulamentação. Ela estabelece parâmetros com o objetivo de tutelar o direito de manifestação”, declarou. “Somente a partir daí é que a polícia vai construir o seu procedimento operacional padrão para aplicar essa lei”.

Alckmin classificou a lei como “positiva” e disse que o objetivo é “preservar manifestações legítimas” e “separar o joio do trigo”. “Nós tivemos no ano passado, nas manifestações de junho, manifestações extremamente legítimas, que só fortalecem o regime democrático. Mas vimos, especialmente depois de alguns meses, pessoas, muitas delas mascaradas, promovendo o vandalismo e a destruição de patrimônio público e privado”.

O governador afirmou que “não haverá exceções” para o cumprimento da lei, exceto nos casos de eventos culturais, como o Carnaval. A exceção já estava prevista no projeto que originou a lei, de autoria do deputado Campos Machado (PTB) e aprovado em julho na Assembleia Legislativa (Alesp).

Violência policial 

Questionado sobre medidas para coibir a violência policial contra manifestantes, Alckmin disse que “a polícia tem uma corregedoria e é implacável nesse trabalho” e convidou o secretário e o comandante da PM a responder sobre números de policiais punidos por agressão ou abuso de poder em protestos.

O coronel Meira disse que até o momento apenas um policial foi afastado, mas que outros casos estão sendo investigados pela corregedoria. Nesse ponto, o secretário Grella disse que o fato de as vítimas não se manifestarem prejudica o trabalho de apuração.

“Não há interesse da secretaria em deixar de apurar, e apurar com rigor. Mas nós precisamos da colaboração daquelas vítimas, que elas venham dar declarações para ajudar a identificar. Sem isso fica muito difícil você chegar a uma conclusão. Por isso que muitas das investigações ainda estão pendentes”, afirmou o secretário.

Questionados sobre planos para que os policiais voltem a usar apenas identificação nominal nos protestos, já que tem sido comum a presença de PMs com identificação exclusivamente numérica nas manifestações, Grella disse que ambos os modelos atendem a padrões internacionais. “O importante é ter identificação”, disse. Já o comandante Meira disse que um modelo padrão está sendo estudado.

Tags: Atos, manifestações, proibição, SP, violência

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.