Jornal do Brasil

Sábado, 20 de Setembro de 2014

País

Quatro presos são assassinados em rebelião no Paraná

Testemunhas narram cenas de terror em penitenciária de Cascavel. Reféns foram jogados de telhado

Jornal do Brasil

Pelo menos quatro presos foram assassinados por colegas durante a rebelião na Penitenciária Estadual de Cascavel, no Oeste do Paraná. Dois deles foram decapitados e há, pelo menos, mais um ferido grave. Cinco presos foram atirados do telhado da unidade, de uma altura de cerca de 15 metros, e permaneceram no chão por mais de três horas até as equipes do Corpo de Bombeiros conseguirem entrar no pátio em segurança.

O motim começou por volta das 6h30 deste domingo (24) e até o fechamento desta matéria ainda não tinha sido controlado. Pelo menos 800 detentos participam da rebelião. Dois agentes penitenciários e outros presos foram feitos reféns.

Pelo menos 800 detentos participam da rebelião
Pelo menos 800 detentos participam da rebelião

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Cascavel, Amarildo Horvath, disse que das 24 galerias da penitenciária, 20 foram danificadas.

No final da tarde, 77 presos que estavam sendo ameaçados pelos rebelados foram transferidos para a Penitenciária Industrial de Cascavel.

Os rebelados usam capuz para esconder o rosto e estenderam faixas no teto do presídio cobrando respostas e fazendo reivindicações. Eles usam identificações do Primeiro Comando da Capital (PCC), facção criminosa que domina presídios em vários estados do país.

Segundo a Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos do Paraná, cerca de 60% da penitenciária foi tomada pelos presos. Um juiz local e o comandante da PM em Cascavel realizam as negociações. 

Segundo o Depen, os rebelados pedem relaxamento nas visitas, mais diálogo com a direção da unidade e refeições melhores. A água e a luz foram cortadas na penitenciária desde o começo da tarde.

Tags: cadeia, mortos, motim, paraná, presos

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.