Jornal do Brasil

Quinta-feira, 18 de Setembro de 2014

País

Polícia corre para levar Abdelmassih ao presídio Tremembé ainda hoje

Portal Terra

O médico Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos de prisão por estupro e preso no Paraguai na terça-feira, deve chegar na tarde desta quarta-feira em São Paulo pelo aeroporto de Congonhas. Um esquema foi montado pela polícia no aeroporto para que ele seja transferido ainda hoje para a Penitenciária 2 do Tremembé, no Vale do Paraíba.

A Polícia Federal (PF), que faz a escolta do preso, entregará Abdelmassih para a Polícia Civil paulista. Um médico do Instituto Médico Legal (IML) foi deslocado até o aeroporto para fazer o exame de corpo de delito. Também será feito um boletim de ocorrência de captura para que ela seja legitimada.

>> Ex-médico Roger Abdelmassih é preso no Paraguai

>> MP investiga rede de auxílio a Roger Abdelmassih

O titular da Delegacia Especializada de Atendimento ao Turista (Deatur), Osvaldo Nico Gonçalves, negou que a Polícia Civil tenha feito um esquema especial para este detento. "Nós temos um prazo, porque o Tremembé não recebe presos à noite. Temos que correr contra o tempo, por isso que o médico (do IML) está aqui pra ajudar", justificou.

Abdelmassih exibe número de identificação após prisão no Paraguai
Abdelmassih exibe número de identificação após prisão no Paraguai

Ele ainda relatou como será a entrada do médico no presídio: "o procedimento da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) é o normal deles. Vai ficar sozinho (Abdelmassih) num primeiro momento, procedimento normal". Nico completou, "para nós é um preso comum e está sendo tratado como um preso comum".

No aeroporto, várias viaturas da PF e da Polícia Civil aguardam o preso. Questionado se existe a preocupação do médico, que ficou três anos foragido da Justiça, fugir, o delegado confirmou: "há preocupação, mas ele não vai fugir. Daqui, ele vai pra cadeia", finalizou.

Condenação 

Abdelmassih estava foragido desde 2011 quando a Justiça determinou sua prisão. Ele foi condenado, em primeira instância, a 278 anos de prisão pelo estupro de 52 clientes de sua clínica de reprodução assistida. Abdelmassih obteve no Supremo Tribunal Federal (STF) o direito de responder ao processo em liberdade. No começo de 2011, ele teve a prisão decretada novamente e, desde então, é considerado foragido da Justiça. Abdelmassih também teve seu registro cassado pelo Conselho Regional de Medicina  de São Paulo.

Tags: abusos, assédio, condenação, pacientes, prisão

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.