Jornal do Brasil

Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

País

Eduardo Campos morre em acidente aéreo em Santos

Jornal do Brasil

O candidato à Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, morreu nesta quarta-feira (13), num acidente aéreo em Santos, no litoral paulista. A aeronave enfrentava mau tempo e, quando se preparava para o pouso, arremeteu. Em seguida, o controle de tráfego aéreo perdeu contato com a aeronave, que caiu sobre uma academia e outros prédios. 

Eduardo Campos tinha agenda de campanha na cidade, no evento SantosExport. Segundo a assessoria de imprensa do candidato, ele saiu do Rio de Janeiro pela manhã com destino ao Guarujá. 

Além de Eduardo Campos, morreram os assessores Pedro Valadares e Carlos Percol; Alexandre Severo, fotógrafo oficial da campanha; e Marcelo Lyra, cinegrafista da campanha. A candidata a vice-presidência, Marina Silva, estava em São Paulo.

O Corpo de Bombeiros confirmou a queda, que ocorreu na altura do número 136 Rua Alexandre Herculano, esquina com Rua Vahia de Abreu, nas imediações do Canal 3, a cerca de sete quadras da praia. 

>> Avião em que estava Eduardo Campos arremeteu devido ao mau tempo

>> PSB divulga nomes de assessores e tripulantes que estavam com Campos

>> Candidatos cancelam compromissos de campanha por morte de Campos

>> Presidente da Câmara divulga nota de pesar pela morte de Eduardo Campos

>> Deputados lamentam a morte de Eduardo Campos

>> Partidos usam as redes socais para lamentar a morte de Eduardo Campos

>> Coligação de Eduardo Campos tem dez dias para indicar substituto

Por meio de nota, o Comando da Aeronáutica informou que a aeronave é um Cessna 560XL, prefixo PR-AFA. A aeronave decolou do Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, com destino ao Aeroporto de Guarujá. A Aeronáutica já iniciou as investigações para apurar os fatores que possam ter contribuído para o acidente.

Vida voltada para a política

Eduardo Henrique Accioly Campos era filho da deputada Ana Arraes e do escritor Maximiano Campos e neto do ex-governador Miguel Arraes. Natural do Recife, formou-se em Economia pela Universidade Federal de Pernambuco. Foi na universidade que ele deu início na sua militância política, nomeado em 1985 presidente do Diretório Acadêmico em 1985. Campos era casado com a economista e auditora do Tribunal de Contas do Estado Renata Campos, com quem tinha cinco filhos – Maria Eduarda, João Henrique, Pedro Henrique, José Henrique e Miguel de Andrade Lima Campos. 

Em 1986 já teve voz ativa na campanha de reeleição do seu avô ao governo de Pernambuco, no cargo de chefe de gabinete. O seu ingresso no Partido Socialista Brasileiro (PSB) aconteceu em 1990, eleito como deputado estadual. Quatro anos depois chegou ao Congresso Nacional, com 133 mil votos dos eleitores. No ano seguinte assumiu o cargo de secretário de Governo e secretário da Fazenda, em 1996. A sua passagem pela Câmara Federal aconteceu pela primeira vez em 1998, como deputado mais votado de Pernambuco. Em 2002, Eduardo Campos já exercia o seu terceiro mandato na Câmara Federal.

Campos foi um dos importantes articuladores do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, chegando ao cargo de ministro da Ciência e Tecnologia. Em 2005, assumiu a presidência nacional do PSB e no ano seguinte pediu licença do cargo para concorrer ao governo do Estado, pela Frente Popular de Pernambuco. 

Eduardo Campos morreu no mesmo dia do avô

Eduardo Campos morreu no mesmo dia do avô, Miguel Arraes, que também foi governador de Pernambuco. Arraes morreu de infecção generalizada em 13 de agosto de 2005.

Miguel Arraes começou a carreira política em 1947, como secretário da Fazenda de Pernambuco. Três anos depois, foi eleito deputado estadual pelo Partido Social Democrático. Em 1959, venceu as eleições para a prefeitura do Recife, e em 1962 chegou ao governo de Pernambuco.

Em 1964, Arraes foi cassado e preso pelos militares e se exilou na Argélia. Só voltou ao Brasil em 1979 com a lei da anistia. Em 1982, foi eleito deputado federal. Quatro anos depois, governador de Pernambuco, pela segunda vez. Em 1990, deixou o PMDB e criou o Partido Socialista Brasileiro. De 1994 a 1998 governou o estado de Pernambuco, pela terceira vez.

Tags: avião, Campos, eduardo, jato, morte, Santos

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.