Jornal do Brasil

Domingo, 23 de Novembro de 2014

País

Contadora diz que Youssef atuava como um 'banco' e repassou dinheiro a Argôlo

Jornal do Brasil

Em depoimento no Conselho de Ética da Câmara, a contadora Meire Bonfim da Silva Poza, que trabalhou para o doleiro Alberto Youssef, disse nesta quarta-feira (13) que Youssef atuava como um "banco" e que repassava dinheiro para diversos políticos, entre eles o deputado federal Luiz Argôlo (SD-BA).

"O Alberto [Youssef] era um banco. Eu não teria uma relação das pessoas para quem ele emprestava. Ele pagava contas, dava dinheiro, dava presentes, emprestava. Ele pagava diversas contas, fazia TEDs [transferências eletrônicas], pagamentos. Por exemplo, eu fazia pagamentos que eu não tenho conhecimento do que se tratava. Às vezes vinha um pagamento e ele falava só para eu pagar", disse.

Meire presta depoimento no Conselho de Ética
Meire presta depoimento no Conselho de Ética

>> Presidente do Conselho de Ética recusa pedido de suspensão de depoimento

Meire foi questionada sobre para quais deputados o doleiro repassou dinheiro, mas ela se limitou a falar de Argôlo: "Eu preferia hoje me limitar a falar sobre o deputado Luiz Argôlo. E, sim, houve entrega de dinheiro para o deputado Luiz Argôlo." Em seguida, ela confirmou que houve pagamentos a outros políticos, mesmo sem citar nomes: "Sim, houve".

Meire presta depoimento sobre reportagem da revista Veja divulgada nesta semana, na qual ela afirma que o deputado federal Luiz Argôlo (SD-BA) "era cliente e ao mesmo tempo sócio de Beto" (apelido de Alberto Youssef).

A contadora, segundo a revista, trabalhava para o doleiro Alberto Youssef, preso na operação Lava Jato, da Polícia Federal. Segundo a reportagem, a ex-contadora teria dito ainda que o parlamentar e o doleiro "tinham parcerias em obras e negócios" e que ela, pessoalmente, teria feito muitos pagamentos para Argôlo. "Ele vivia no escritório", teria afirmado Meire Poza.

>> Assista ao vivo

Entenda o caso

O Conselho de Ética analisa dois pedidos de investigação contra Luiz Argôlo apresentados pelo PPS e pela Mesa Diretora da Câmara, ambos com base em reportagens da revista Veja e do jornal Folha de S.Paulo que citam mensagens trocadas entre o doleiro e o deputado sobre a transferência de R$ 120 mil para a conta do chefe de gabinete do parlamentar, Vanilton Bezerra. De acordo com a Folha, Argôlo também teria recebido do doleiro dois caminhões de gado. Em depoimento, na semana passada, Bezerra negou ter recebido dinheiro.

Luiz Argôlo já apresentou ao Conselho duas defesas preliminares - uma para cada representação. Segundo o relator, deputado Marcos Rogério (PDT-RO), os documentos tratam de questões como nulidades, prazos e ilegalidades de provas, sem entar no mérito das acusações.

O parlamentar ainda deverá ser ouvido pelo Conselho após os depoimentos das testemunhas listadas pela defesa e pelo relator. Marcos Rogério espera apresentar seu parecer na primeira semana de setembro.

A audiência com a contadora ocorre no plenário 11.

Com Agência Câmara

Tags: comissão, depoimento, doleiro, ética, youssef

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.