Jornal do Brasil

Quinta-feira, 2 de Outubro de 2014

País

Justiça gaúcha nega liberdade a dois acusados da morte de Bernardo

Portal Terra

A 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul negou na tarde desta quinta-feira pedido de liberdade de Edelvânia e Evandro Wirganovicz, acusados de participar da morte do menino Bernardo Uglione Boldrini. Além dos dois, são acusados pelo assassinato a madrasta da criança, Graciele Ugulini, e o pai, Leandro Boldrini.

Segundo o juiz convocado ao TJ Fábio Vieira Heerdt, relator, há risco de fuga. O pedido de Evandro foi negado por dois votos a um. Ele é acusado de ter feito a cova na qual foi enterrado Bernardo. O de Edelvânia foi negado por unanimidade.

Caso Bernardo 

Bernardo Uglione Boldrini, 11 anos, desapareceu em 4 de abril de 2014, em Três Passos (RS). De acordo com o pai, o médico Leandro Boldrini, ele disse que passaria o fim de semana na casa de um amigo, e não retornou. O corpo do garoto foi encontrado no dia 14 de abril, em Frederico Westphalen, dentro de um saco plástico e enterrado às margens do rio Mico. Na mesma noite, o pai, a madrasta Graciele Ugulini, e uma amiga, a assistente social Edelvânia Wirganovicz, foram presos pela suspeita de envolvimento no crime. 

A amiga da madrasta confessou ter recebido Graciele e o menino em sua casa, e ajudado a enterrar o corpo. Segundo a Polícia Civil, o menino foi dopado antes de ser morto, possivelmente com uma injeção letal. Após as prisões, foi revelado que o próprio menino havia procurado o Conselho Tutelar para denunciar o pai por abandono afetivo.

Tags: madrasta, menino, morte, pai, prisão

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.