Jornal do Brasil

Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014

País

Operação prende 40 suspeitos de furtar trens em SP

Portal Terra

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de São José do Rio Preto (SP) e a Polícia Militar fazem uma grande operação nesta quarta-feira para prender uma quadrilha que teria furtado produtos mais de R$ 30 milhões em produtos – especialmente combustíveis – dos trens da América Latina Logística (ALL) na região noroeste paulista.

De acordo com o tenente-coronel Marcos Simões, mais de 250 PMs da Força Tática, Radio Patrulha, Rocam e Canil participam da operação, que conta com apoio da Polícia Ambiental e do helicóptero Águia. A operação, denominada Ferrorama pelo Gaeco, também conta com grupos de promotores que participam as diligências para cumprir 59 mandados de prisão temporária e 67 mandados de busca e apreensão em cidades das regiões de Catanduva, Rio Preto e Ribeirão Preto.

Até as 14h, 40 pessoas suspeitas de pertencer à quadrilha já tinham sido presas, entre elas 11 seguranças da ALL, donos de postos de combustíveis e fazendeiros. Vinte e três suspeitos foram presos na cidade de Santa Adélia, na região de Catanduva, onde estaria o núcleo e os principais integrantes do bando. Foram apreendidos milhares de litros de combustíveis e vários sacos de grãos que estavam estocados nas casas dos acusados. 

Segundo o promotor João Santa Terra, do Gaeco de Rio Preto, o bando era investigado havia mais de seis meses. “A promotoria criminal de Santa Adélia nos acionou revelando uma prática endêmica de crimes ocorridos ao longo da linha férrea”, disse Santa Terra aos jornalistas. Segundo ele, a quadrilha cooptava moradores para atuar no furto de grãos, açúcar e principalmente combustíveis, transportados pelas composições da ALL.

“Era uma quadrilha muito bem organizada, com várias células diferenciadas com seus cabeças que comandavam as articulações dos furtadores”, disse o promotor à imprensa. Segundo ele, os produtos eram furtados e ficavam estocados por pouco tempo até serem entregues aos grupos responsáveis pela receptação da mercadoria roubada.

Para furtar os produtos, a quadrilha contava com ajuda de seguranças que abriam os vagões, facilitando a entrada dos ladrões e retirada dos produtos. Onze seguranças tinham sido presos até as 15h30. Entre os receptadores estão donos de postos de combustíveis e fazendeiros - que compravam os combustíveis a preços mais baixos que os de mercado para revender em seus postos ou para usar nos maquinários agrícolas em suas propriedades rurais.

A ALL informou que pretendia esperar o fim da operação, que deveria terminar ainda nesta quarta-feira, para dar mais informações sobre o assunto, mas que tinha conhecimento e colaborou com as investigações. “A concessionária informa que vinha colaborando com as investigações da polícia e aguarda a conclusão da operação”, diz nota da empresa.

Tags: . combate, atuação, crime, especial, grupo, são paulo

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.