Jornal do Brasil

Terça-feira, 23 de Setembro de 2014

País

André Vargas deixa reunião do Conselho e reclama de cerceamento de defesa

Agência Câmara

O deputado André Vargas (PT-PR) deixou a reunião do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara reclamando que seu direito de defesa está sendo cerceado. O parlamentar afirmou que vai recorrer à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara e ao Supremo Tribunal Federal para garantir seu direito.

O deputado Júlio Delgado (PSB-MG), relator do processo contra Vargas, está lendo seu parecer. A votação, no entanto, não deve ocorrer hoje, pois o deputado Mauro Lopes (PMDB-MG) já anunciou que vai pedir vista, assim como Sibá Machado (PT-AC) e Zé Geraldo (PT-PA).

Houve uma tentativa de afastamento de Delgado, por meio de um pedido de suspeição apresentado pela defesa de Vargas, mas o presidente do Conselho de Ética, deputado Ricardo Izar (PSD-SP), decidiu mantê-lo no cargo após consultar, durante a reunião, os integrantes do colegiado.

Vargas, que foi chamado seis vezes para falar no conselho, mas não compareceu, disse que gostaria de depor amanhã, depois que outras testemunhas indicadas por sua defesa também fossem ouvidas. O relator, no entanto, insistiu para que ele depusesse hoje, já que estava presente à reunião, mas Vargas recusou, dizendo que não veio preparado para fazer sua defesa.

André Vargas é acusado de intermediar contratos do laboratório Labogen com o Ministério da Saúde. O Labogen é propriedade do doleiro Alberto Youssef, preso em março pela Polícia Federal na operação Lava Jato.

Tags: ação, depoimentos, doleiro, federal, polícia

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.