Jornal do Brasil

Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

País

Edinho, filho de Pelé, é solto e desabafa: mesma justiça me absolverá

Portal Terra

O ex-goleiro do Santos e filho de Pelé, Edson Cholbi do Nascimento, foi solto na tarde desta terça-feira. Edinho estava preso há sete dias no 5º Distrito Policial de Santos, no litoral de São Paulo, pela ausência do passaporte, em decisão da 1ª Vara Criminal do Fórum de Praia Grande. A sequência entre o jogo da Seleção Brasileira, na última terça-feira, e o feriado de quarta adiou o pedido de revogação. Ele responde em liberdade a condenação a 33 anos de prisão por crime de lavagem de dinheiro proveniente do tráfico de drogas.

"Para as pessoas que gostam de mim, que torcem por mim, quero dizer que está tudo bem, que confio na justiça apesar de tudo o que já passei nas mãos dela. Confio na justiça, pois a mesma justiça que condena é a que vai me absolver. Vou descansar hoje, passar o dia com a minha família e amanhã (quarta-feira) voltar aos trabalhos no CT (Rei Pelé) e ao meu time (o Santos)", disse o ex-goleiro.

O alvará de soltura chegou às 13h (de Brasília). A liberação de Edinho, no entanto, só ocorreu por volta das 14h30, quando saiu acompanhado de uma das irmãs.

O ex-atleta foi liberado mesmo com a ausência do equipamento de monitoramento eletrônica sob alegação da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) de que a mesma é utilizada, apenas, para presos que cumprem pena em regime semiaberto. Edinho cumpre pena em regime fechado.

Edinho foi detido na última terça e não ofereceu resistência. "Não houve qualquer tipo de reação. Assim que tomou conhecimento da presença dos policiais não esboçou nada, realmente se entregou", relatou o delegado responsável pela Delegacia de Investigações Gerais, Luiz Henrique Ribeiro Artacho.

Além do ex-goleiro, foram condenados pelo mesmo crime Clóvis Ribeiro, o Nai; Maurício Louzada Ghelardi, o Soldado; Nicolau Aun Júnior, o Véio; e Ronaldo Duarte Barsotti, o Naldinho. Segundo a acusação, Naldinho era o líder da organização criminosa, baseada em Santos e com ligação com o Comando Vermelho, facção do Rio de Janeiro. O grupo foi descoberto pelo Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc) em operação realizada em 2005.

Quando o esquema foi desvendado, Edinho negou as acusações e declarou ser dependente de drogas. Ele foi preso outras duas vezes, mas havia conseguido habeas corpus.

Tags: edson, justiça, liberdade, prisão, Santos

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.