Jornal do Brasil

Domingo, 23 de Novembro de 2014

País

Dilma: povo brasileiro me deve a chance de um novo governo

Em entrevista a uma rede árabe, presidente defendeu a modernização do Estado

Portal Terra

Em entrevista concedida à rede Al Jazeera por ocasião do fechamento da Copa do Mundo, a presidente Dilma Rousseff disse acreditar que merece ser reeleita em nome da continuidade de um processo de transformação do Brasil. A entrevista foi transmitida na manhã desta segunda-feira, primeiro dia após o término da Copa, e está disponível no site da Al Jazeera.

“Eu acredito que o povo brasileiro deve me dar a oportunidade de um novo período de governo pelo fato de que nós fazemos parte de um projeto que transformou o Brasil", afirmou Dilma. "O Brasil tinha 54% da sua população entre pobres e miseráveis em 2002. Hoje, (...) todos aqueles que vivem na classe C para cima representam esses 75%. Três em cada quatro brasileiros. Nós transformamos a vida dessas pessoas".

Questionada sobre o legado da Copa para o país, Dilma defendeu que o montante investido na preparação para o evento da Fifa é irrisório perante os gastos totais do governo nas áreas mais reivindicadas por críticos da realização da Copa. “Superamos uma campanha negativa contra a Copa do Mundo no Brasil", disse a presidente.

"No que se refere à infraestrutura, US$ 4 bilhões não é o que faz a diferença em relação à educação e à saúde no mesmo período em que os estádios começaram – os estádios começaram em 2010. Se você considerar de 2010 até 2013, o Brasil, em educação e saúde, gastou mais de US$ 850 bilhões. Os quatro bilhões (de dólares) gastos para fazer os estádios é algo muito pouco significativo no que se refere ao gasto geral”.

A presidente argumentou que muitas das obras em curso ou mesmo atrasadas pouco ou nada têm a ver com a Copa, pois são obras para a população brasileira. “Os nove metrôs que estamos fazendo nas cidades brasileiras não estão vinculados à Copa. A Copa não precisa dessa quantidade de obras. Nós precisamos de uma estrutura de exportação para o Brasil. Então o desafio do Brasil - o menor deles é a Copa”.

Confrontada com o que críticos consideram um parco crescimento econômico, Dilma postulou que o Estado brasileiro necessita ser modernizado. A presidente, no entanto, argumentou que o país passa por um momento especial de desenvolvimento que deve dar espaço a um novo momento em breve.

“O Brasil é um país que tem demorado muito para modernizar seu Estado. Nós precisamos de um país sem burocracia, um Estado muito mais amigável tanto para os cidadãos quando para os empresários, os empreendedores, e para os trabalhadores. (...) Nós estamos preparando o Brasil para um momento. (...) Nós estamos em uma fase de baixa do ciclo econômico, mas sabemos que vamos entrar em uma outra fase do ciclo econômico, e temos de nos preparar de forma a melhorar a competitividade do nosso país”.

Questionada sobre sua linha de política externa, Dilma defendeu manter a filosofia clássica do Itamaraty de não intervencionismo e fomento do diálogo igualitário entre as nações e os povos. “Nós fomos colônia, nós vivemos sob o Fundo Monetário Internacional. Então nós repudiamos essa relação de superior para inferior. Não é isso o que o Brasil pretende nas sua relações regionais, nas suas relações com os países africanos, nas suas relações dentro dos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). Nós queremos relações de igualdade“.

Tags: árabe, entrevista, presidente, rede, reeleição

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.