Jornal do Brasil

Quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

País

Caseiro confessa morte de ex-secretário do MT por ciúmes

Portal Terra

A Polícia Civil de Mato Grosso prendeu em flagrante o caseiro da fazenda Mar Azul, em Barão de Melgaço, região pantaneira em Mato Grosso. Ele é suspeito de matar Vilceu Marchetti, ex-secretário de Estado de Infraestrutura no governo de Blairo Maggi, atual senador pelo PR. Após a prisão, o caseiro Anastásio Marafon, 53 anos, confessou que usou uma arma calibre 38 para matar o ex-secretário na noite de segunda-feira por volta das 20h com dois tiros, um na cabeça e outro no peito, na fazenda. O motivo do crime, conforme confessou o caseiro, foi passional. Em depoimento à polícia, ele argumentou que viu Marchetti alisar as nádegas da mulher dele.

O caseiro confessou também que, após os disparos, jogou a arma em um rio, na própria fazenda. O Corpo de Bombeiros e uma equipe policial da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), de Cuiabá, ainda estavam fazendo buscas no local às 15h dessa terça-feira.

Com a confissão e as fortes evidências de que foi mesmo crime passional, a polícia descartou a possibilidade de queima de arquivo, uma suspeita levantada previamente porque Marchetti é condenado por desvio de dinheiro público, em um caso que estourou em 2009 e ficou conhecido como “Escândalo dos Maquinários”.

Investigações da Auditoria Geral do Estado de Mato Grosso apontaram que o desvio foi de R$ 44,4 milhões de um total de R$ 241 milhões disponibilizados pelo BNDES à compra de 705 maquinários agrícolas, como tratores, por exemplo, para potencializar o agronegócio no Estado.

Em março deste ano, Marchetti foi condenado, pelo juiz federal Julier Sebastião da Silva, por improbidade administrativa e obrigado a devolver o valor desviado, pagar multa de R$ 10 mil, além de ter os direitos políticos suspensos por 5 anos.

Nesse processo, outro secretário de Maggi, Geraldo De Vitto, da pasta da Administração, também foi condenado da mesma forma.

A vítima do crime, que conduziu a secretaria de 2005 a 2010, também já foi prefeito de Primavera do Leste e presidente da Associação dos Municípios Mato-Grossenses (AMM).

No entanto, o caseiro, que veio de Santa Catarina para ocupar o cargo de administrador da fazenda Mar Azul, onde estava há apenas 8 dias, afirmou que não conhecia nada da vida política dele.

Em entrevista coletiva à imprensa, o delegado titular da DHPP, Silas Tadeu Caldeira, detalhou que “Marchetti foi morto dentro do quarto e encontrado em cima da cama”. Disse ainda que o caseiro e Marchetti trabalharam ontem das 16h às 18h, no mangueiral, vacinando o gado. "Chegando à sede da fazenda, e lá existe uma casa, a vítima entrou em um dos apartamentos e, quando o suspeito ia descendo do carro, viu o Marchetti passar a mão nas nádegas da esposa", detalhou o delegado.

No interrogatório, o caseiro contou que ficou revoltado com a situação e perguntou à mulher se ela estaria sendo assediada sexualmente pela vítima. "Ela, inicialmente, negou e posteriormente confessou. Ele deu um tapa na mesa muito exaltado e saiu em direção ao apartamento (de Marchetti). Estaria ele deitado. Quando o suspeito se aproximou, somente disse: 'você está mexendo com minha mulher'. Após isso já disparou", narrou o delegado Silas.

O inquérito policial será finalizado em 10 dias pelo delegado Sidney Caetano de Paiva, da Delegacia de Santo Antônio de Leverger, que responde também por Barão do Melgaço.  O preso que confessou o homicídio aguardará julgamento preso.

O governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), lamentou a morte do ex-secretário e pediu celeridade na apuração do crime. Maggi disse à imprensa local que perde um amigo “alegre”. Outras autoridades se posicionaram, lamentando a morte do secretário.

Tags: assassinato, maggi, mato grosso, político, silval

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.