Jornal do Brasil

Sexta-feira, 1 de Agosto de 2014

País

Bombeiros resgatam corpo de 2ª vítima de desabamento de viaduto em BH

Obra tinha a participação da Delta, envolvida em escândalos e denúncias de corrupção

Jornal do Brasil

Homens do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais resgataram na madrugada de hoje (4) o corpo de um rapaz de 25 anos, vítima do desabamento de um viaduto em Belo Horizonte. Charlys Frederico Moreira do Nascimento dirigia um Fiat Uno de cor cinza e foi encontrado dentro do veículo.

A corporação confirmou também a morte de Hanna Cristina Santos, de 24 anos, que dirigia um micro-ônibus no momento do acidente. Segundo os bombeiros, o número de pessoas feridas no desabamento do viaduto permanece em 22, sendo três operários. Três vítimas já foram liberadas e as demais continuam hospitalizadas.

Construtora fez doações para partidos

A construtora Cowan S.A., responsável pela obra, divulgou nota oficial em que lamenta "profundamente o ocorrido com o viaduto sobre a Avenida Pedro I". "Neste momento, a prioridade é o apoio às vitimas e aos familiares. A empresa informa que já enviou ao local a equipe técnica para iniciar as investigações", diz a nota.

A tragédia não isenta de responsabilidade a construtora Cowan, que também financia campanhas políticas. Em 2012, a empresa desembolsou R$ 2.826.264,29 para os partidos. No dia 28 de setembro de 2012, segundo o TSE, a Cowan fez uma doação de R$ 500 mil ao PCdoB; no dia 20 de setembro, R$ 1 milhão para o PMDB; no dia 4 de outubro, R$ 500 mil para o PMDB; no dia 25 de outubro, R$ 326.264 para o PMDB; e no dia 28 de setembro, R$ 500 mil para o PSDB. 

O contrato assinado originalmente tem o valor de R$ 170, 999 milhões. A Cowan, fundada em 1958 em Montes Claros (MG), é conhecida por ter mais de 80% de seus negócios fechados com o Governo, mantendo ainda obras em rodovias, barragens, usinas hidrelétricas, aeroportos, saneamento, transporte urbano, mineração, além de exploração e produção de petróleo e gás.

Em Belo Horizonte a Cowan executa obras na Linha Verde (liga o centro de BH até o Aeroporto de Confins), duplicações da BR-040 (feitas pelo DNIT antes do leilão), e Gasoduto do Vale do Aço, ampliação do Aeroporto de Confins (pistas de pouso e decolagem) e do metrô do Rio de Janeiro.

Participação da Delta

A empreiteira Delta, envolvida em escândalos, alvo de investigação por negócios irregulares com o bicheiro Carlinhos Cachoeira e considerada inidônea pelo Tribunal de Contas da União (TCU), participava do consórcio para a construção do viaduto em Belo Horizonte. Ela deixou as obras em meados de 2012, quando as denúncias vieram à tona, e o projeto foi inteiramente assumido pela Cowan. 

>> Prefeito de BH confirma dois mortos e 19 feridos em queda de viaduto

>> BH: viaduto será cortado em blocos para retirada dos veículos atingidos

>> Políticos prestam solidariedade após queda de viaduto em BH

>> Viaduto que desabou em BH integrava obras para a Copa

De acordo com o Corpo de Bombeiros, as equipes permanecem no local do acidente, na Avenida Pedro I, na altura do bairro São João Batista, região de Venda Nova, para fazer ações preventivas e de isolamento. Não há previsão de encerramento dos trabalhos.

O empreendimento total incluía ainda a instalação de um sistema expresso de ônibus (BRT), instalação de passarelas e alargamento de rodovia. Com esse acidente, os supersticiosos já temem a semifinal da Copa na capital mineira.

O custo total do complexo da obra era de R$ 45 milhões com início previsto para setembro de 2011 e conclusão prevista para janeiro do ano passado. O empreendimento faz parte da matriz de responsabilidade da Copa, que definiu o complexo viário como obra da prefeitura de Belo Horizonte.

Com Agência Brasil

Tags: bombeiro, MINAS, morte, queda, Viaduto

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.