Jornal do Brasil

Domingo, 28 de Dezembro de 2014

País

Advogados Ativistas denunciam à OAB-SP detenções em ato público

Agência Brasil

O grupo Advogados Ativistas pediu providências hoje (2) à Ordem dos Advogados do Brasil - Seção de São Paulo (OAB-SP) sobre a prisão de dois advogados ontem (1º), durante debate público para pedir a libertação de ativistas políticos. O grupo ressalta, na denúncia, que a ação da Polícia Militar (PM) foi ilegal, tendo em vista que não poderiam deter advogados no exercício da função.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (SSP), eles foram levados ao 78° Distrito Policial (DP) e assinaram termo circunstanciado de desacato. Os advogados acusam a PM de ter agido com violência, o que levou Daniel Biral, um dos detidos, a desmaiar dentro do carro da polícia. A secretaria não se posicionou sobre isso.

“O policial se alterou apenas pelo fato de ter pedido a sua identificação [que não estava na farda]. Ele tomou o advogado pelo colarinho, o arrastou e algemou. A advogada foi presa pelo pescoço”, relatou André Zanardo, um dos advogados integrantes do grupo que acompanhou o ato. Segundo ele, a detenção ocorreu no momento em que Daniel mediava com a PM a ameaça feita por policiais ao trabalho de observadores legais, que fazem o registro de violações aos direitos humanos em protestos. Encaminhados ao DP, eles dizem que o delegado se recusou a registrar um boletim de ocorrência de abuso de autoridade, e também houve recusa para que pudessem identificar os policiais que os prenderam.

Procurada para comentar as denúncias dos ativistas, a SSP informou que a advogada Silvia Daskal, 33 anos, segundo o boletim de ocorrência, ofendeu e empurrou uma tenente. Daniel, 33 anos, também empurrou e xingou os policiais. A PM não comentou a prisão dos advogados. Disse, por meio de nota, que um grupo de 50 pessoas investiu com violência contra os policiais, impedindo a revista de um ativista que “portava uma mochila de grandes proporções durante o ato”. Eles usaram, portanto, gás lacrimogênio e bala de borracha.

A nota da PM orienta que questionamentos relacionados a algum ato abusivo devem ser formalizados como denúncia na Corregedoria da Polícia Militar. Além da prisão dos dois advogados, os ativistas apontam que pelo menos mais quatro pessoas foram detidas ontem. A SSP nada adiantou a respeito.

O ato de ontem reuniu estudantes, professores e militantes em assembleia pública para pedir a liberação do funcionário e aluno da Universidade de São Paulo (USP) Fábio Hideki e do professor de inglês Rafael Marques, presos em uma manifestação contra a Copa do Mundo, no último dia 23, acusados dos crimes de resistência, desobediência, incitação ao crime, formação de quadrilha e porte de artefato explosivo. Antes mesmo do início da reunião, o local foi cercado pela Tropa de Choque e pela Cavalaria da PM. A reportagem da Agência Brasil verificou que manifestantes que chegavam ao local eram revistados.

Para Zanardo, construiu-se na Praça Franklin Roosevelt, zona central da capital paulista, um ambiente de indignação pela presença ostensiva da polícia em um debate público. “A Roosevelt ficou sitiada para apenas um debate. Tínhamos 500 ou 600 pessoas e um contingente muito maior de policiais. O tema da própria reunião era a repressão da polícia”, relatou.

 

 

Tags: advogados, brasil, denúncias, Ordem, protestos

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.