Jornal do Brasil

Quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

País

Protesto em BH tem mais policiais que manifestantes

Portal Terra

Assim como aconteceu no último sábado, quando estava marcado um protesto para Belo Horizonte, nesta terça-feira, dia em que a Inglaterra enfrenta Costa Rica no Mineirão, a manifestação não teve muitos adeptos contra a Copa. Cerca de 12 pessoas fizeram algum movimento, sem assustar a Polícia Militar.

Os violentos protestos que invadiram o Brasil em 2013, durante a Copa das Confederações, tendo Belo Horizonte como um dos pontos principais no “vem pra rua”, perdeu sua força na capital mineira. Nos primeiros dias da Copa de 2014 algum movimento mais violento chegou a acontecer, mas perdeu força com o decorrer dos dias.

Nesta terça-feira uma nova movimentação estava prevista para Belo Horizonte, novamente marcado para a Praça Sete de Setembro – ponto que se tornou tradicional para o encontro dos manifestantes. A adesão, porém, foi pequena. Nas primeiras horas do dia a reportagem do Terra conferiu na página do Facebook que estava a marcação dos protestos e constatou que pouco mais de 150 participantes confirmaram presença.

O que se viu na Praça Sete, em Belo Horizonte, foi um bom policiamento para conter qualquer problema, mas poucos manifestantes. Os militares marcaram presença em todos os pontos de acesso ao local marcado e revistavam qualquer pessoa que entendessem que representaria risco para a população. Geralmente, na percepção da reportagem, jovens com mochilas.

O grupo que se manifestou foi marcado por cerca de 12 pessoas. Eles iniciaram o protesto por volta das 11h, com faixas, uma caixa de som, e boa vontade. Apesar da época de frio, o local estava bem quente e os gritos aconteceram no forte sol da capital mineira.

Os manifestantes da Frente Revolucionária de Defesa dos Direitos do Povo fizeram um movimento contra a Copa. Utilizando da caixa de som eles falaram para a população que passava pelo local do excesso de gastos com a Copa e ainda dos trabalhadores que morreram nas obras.

O grupo iniciou o movimento com uma música “Até Quando?” de Gabriel O Pensador. A letra revolucionária convida a população para fazer protestos nas ruas. A manifestação, entretanto, seguiu vazia, com mais policiais nas ruas do que protestantes. Às vezes algum popular pedia o microfone para reclamar sobre a situação do país, mas de uma forma geral apenas os 12 fizeram o movimento e foram escutados por pessoas que estavam no local ou apenas passaram por lá.

Tags: capital, Copa, mineira, Mundo, protestos

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.