Jornal do Brasil

Quarta-feira, 3 de Setembro de 2014

País

Comissão da Verdade defende melhoria na identificação de corpos sepultados

Agência Brasil

A Comissão Municipal da Verdade Vladimir Herzog fez hoje (24) uma inspeção nas instalações do Cemitério Dom Bosco, em Perus, que é conhecido por ser usado para sepultamento de indigentes e de corpos de pessoas supostamente sem documentos. A visita ocorreu porque a comissão envolveu-se na investigação em que o Ministério Público do Estado de São Paulo avalia possíveis irregularidades no enterro de cadáveres sob responsabilidade do Serviço de Verificação de Óbito (SVO) e do Instituto Médico Legal (IML).

Segundo as investigações do Ministério Público, existem suspeitas de que mortos identificados estejam sendo sepultados como indigentes e de venda de órgãos e tecidos humanos desses corpos. De acordo com o presidente da Comissão da Verdade Vladimir Herzog, Gilberto Natalini, o que se viu no cemitério foi uma vala na qual são enterradas corpos não identificados e um ossário com restos mortais também sem identificação.

“Foi a constatação de uma situação difícil, de descaso com os mortos. Os corpos que passam pelo SVO e IML muitas vezes são enterrados como indigentes, mesmo que tenham documentos. Ou seja, não há comunicação com as famílias. Os ossos são misturados e desprezados de forma confusa e primária”, disse Natalini.

Ele informou que a comissão proporá uma atividade conjunta com todas as instituições envolvidas no assunto para discutir uma maneira de melhorar a situação. “É preciso um serviço integrado e informatizado que dê publicidade a quem morreu e que propicie à família a oportunidade de procurar o corpo e os restos mortais. Proponho um site no qual conste o nome de todos, com identificação por impressão digital e foto”, explicou.

Tags: ditadura, enterro, indigentes, MILITAR, tortura

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.