Jornal do Brasil

Sábado, 21 de Julho de 2018 Fundado em 1891

País

STF decide questão do número de deputados por estado na Câmara 

Jornal do Brasil Luiz Orlando Carneiro

Está confirmada para a sessão desta quarta-feira (18/6) do plenário do Supremo Tribunal Federal, no julgamento conjunto de diversas ações de inconstitucionalidade, a decisão definitiva sobre a validade ou não da resolução do Tribunal Superior Eleitoral aprovada no ano passado - e referendada pelo TSE no último dia 27/5 - que ampliou as bancadas na Câmara dos Deputados de cinco estados e diminuiu as representações da Paraíba, do Piauí (menos dois deputados), do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Paraná, Pernambuco e Alagoas (menos um cada).

Na sessão plenária da semana passada (11/6) começaram a ser julgadas as seis ações de inconstitucionalidade (Adins 4.947, 5.020, 5.028, 5.130, 4.963 e 4.965) ajuizadas por governadores e assembleias legislativas de estados que se sentiram prejudicados, e também pela Mesa da Câmara dos Deputados. Há também uma ação declaratória de constitucionalidade (ADC 33), proposta pela Mesa do Senado, a qual pretende que o STF declare válido o decreto legislativo de 2013 que sustara os efeitos da resolução do TSE daquele ano que está em questão.

Julgamento iniciado

Na sessão da última quarta-feira o julgamento chegou a ser iniciado com a leitura do relatório das ações e as sustentações orais dos advogados das partes diretamente interessadas na questão (os governos ou assembleias estaduais e as mesas do Congresso), do advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, e do procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Mas o ministro Gilmar Mendes, relator da maioria das ações, pediu que o seu voto e os dos outros 10 ministros fossem proferidos numa outra sessão, e interrompida aquela, em vista do adiantado da hora.

Naquela oportunidade, tanto o chefe do Ministério Público como o advogado da União reafirmaram os seus pareceres, já constantes dos autos, favoráveis à constitucionalidade da resolução do TSE. Ou seja, que ela seja mantida, e que seja anulado o decreto legislativo em sentido contrário.

Parecer da PGR

O relator, ministro Gilmar Mendes, já recebera (em agosto do ano passado), o parecer do então procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pela rejeição dessas ações. Ou seja, pela "possibilidade de o TSE rever, com base nos dados demográficos do IBGE, a distribuição das 513 vagas de deputado federal da Câmara dos Deputados, inclusive mediante redução do número de cadeiras de algum estado-membro, desde que nenhum deles tenha menos de oito ou mais de 70 deputados (art. 45, parágrafo 1º da Constituição)". O atual procurador-geral, Rodrigo Janot, confirmou este entendimento na sessão da semana passada, na sua sustentação oral.



Tags: Supremo, bancadas, deputados, julgamento, plenário

Compartilhe: