Jornal do Brasil

Sexta-feira, 28 de Novembro de 2014

Rio

Estrangeiros defendem direito de manifestação dos brasileiros

Apesar disso, não concordam com xingamentos a Dilma na abertura da Copa 

Jornal do BrasilAna Luiza Albuquerque*

Em junho de 2013 o Brasil mergulhou em uma série de protestos contra diversas questões problemáticas do país, entre elas os gastos excessivos com a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Desde então, as manifestações foram recorrentes - e continuam durante a Copa, que teve início na última quinta-feira (12). De acordo com pesquisa realizada pelo Ibope em junho de 2013, 75% dos brasileiros são favoráveis aos atos. Os estrangeiros, por sua vez, também parecem compreender a indignação do povo e defender o direito de reivindicar melhorias. O JB foi à rua ouvi-los.

"A manifestação é um direito. Houve gasto excessivo de dinheiro que poderia ter sido investido em serviços básicos, enquanto boa parte da população vive abaixo da linha da pobreza", aponta o australiano Brien Holden. "Não estamos preocupados com os protestos, que nem nos causaram problemas para a Copa. O que vemos, na verdade, são pessoas amigáveis", continua.

O boliviano David Paniagua concorda que as manifestações foram uma reação natural. "O governo poderia ter investido em saúde e educação. Isso sem falar na corrupção com o dinheiro público. É uma reação natural dos grupos sociais e estamos cientes que estes grupos estão contra a Copa", analisa. Por outro lado, David informa que em nenhum momento foi atrapalhado pelas manifestações. "Nem nos estádios, nem nos meios de transporte, nem nas ruas. Talvez possa ter havido a compreensão de deixar passar o Mundial", sugere. Quanto aos xingamentos à presidente Dilma Rousseff na abertura do Mundial, ele classifica como "uma reação pouco acertada".

Sean Philippe e Stéphanie, do Canadá, acreditam que é normal vaiar uma autoridade, mas condenam os xingamentos de baixo calão à presidente. Eles são a favor dos protestos e ainda criticam a FIFA. "As manifestações são perfeitamente justificadas. A FIFA é uma congregação horrível e o governo deveria ter enfrentado os pedidos dela", asseguram. "O direito à manifestação é muito importante em uma democracia", acrescentam. Os chilenos Manoel e Carlos também inferem que os atos são legítimos e que a população tem razão e direito de fazer suas reivindicações. Ainda assim, ponderam: "Contanto que não atrapalhe os jogos. Não dá para mesclar política com futebol".

Os amigos norte-americanos Sean e Raza dividem a mesma opinião que os chilenos. "O protesto é correto se não for violento. De qualquer forma, eu ainda não vi nenhum", conta Sean. Raza afirma que as manifestações deveriam acontecer em um lugar cercado para não interferir nos jogos. "Não deveriam atrapalhar o trânsito, porque os turistas não têm culpa dos problemas. Além disso, todos nós, turistas, vamos gastar muito dinheiro, o que não acontece normalmente, e isso é bom para o Brasil", coloca. Ele ainda desaprova a manifestação em forma de insulto contra Dilma. "É 'ok' dizer que você é contra, mas não é 'ok' ofender. Passa uma imagem ruim do país", expõe. Sean consente: "Não representa bem o Brasil".

Turistas croatas que não quiseram ser identificados também se colocaram a favor das manifestações, apesar de não terem presenciado nenhuma, e afirmaram que "não há nenhuma razão para ter medo". 

*Programa de Estágio do Jornal do Brasil

Tags: Copa, estrangeiros, gastos, manifestações, protestos, turistas

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.