Jornal do Brasil

Sexta-feira, 28 de Novembro de 2014

País

Ativistas fazem atos contrários à Copa antes e depois do jogo em Salvador

Agência Brasil

Em Salvador, onde Alemanha e Portugal se enfrentaram hoje (16) no começo da tarde, integrantes do Comitê Popular da Copa entregaram flores de papel crepom com frases de protesto em inglês, português e alemão aos torcedores. Os ativistas conversaram com os torcedores e pediram que as flores fossem erguidas a cada gol na partida na Arena Fonte Nova para simbolizar o protesto dos que são contra o Mundial. 

Foram distribuídas 150 flores durante toda a manhã, segundo a organização. "A ideia é criar uma contrainformação. Muitos torcedores foram receptivos e inclusive já sabiam das causas. Queriam saber mais", diz o integrante da Associação Nacional dos Comitês Populares da Copa (Ancop) e do  Comitê Popular da Copa de Salvador, Argemiro Ferreira de Almeida.

Entre as reivindicações dos manifestantes, estão o fim das remoções e despejos, o fim da violência estatal e higienização das ruas do centro nas cidades-sede, garantindo à população em situação de rua políticas de acesso à alimentação, abrigo e higiene pessoal, como trabalho e assistência social. 

Além disso, segundo carta aberta publicada no Portal Popular da Copa e das Olimpíadas, pedem a criação de campanhas de combate à exploração sexual e ao tráfico de pessoas nas escolas da rede pública, na rede hoteleira, nas proximidades dos estádios e regiões turísticas, bem como a desmilitarização da polícia e fim da repressão aos movimentos sociais.

Após a partida, a Polícia Militar baiana informou que ocorreu uma outra manifestação pacífica, com cerca de 30 pessoas. O grupo caminhou sem o uso de máscaras, protestando contra a Copa. As pessoas saíram do Terreiro de Jesus, no Centro Histórico, em direção ao Largo do Pelourinho. 

Segundo a PM, não houve necessidade de intervenção ou transtorno ao trânsito local.

Tags: 2014, brasil, manifestações, Mundial, ruas

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.