Jornal do Brasil

Sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

País

Lula rebate: 'por que não colocam tsunami no Cantareira?'

Para ex-presidente, pessoas que vaiaram Dilma em Itaquera não "tinham cara de trabalhadores"

Portal TerraJessica Freitas

O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva rebateu neste domingo (15) as afirmações feitas ontem pelo candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB), que disse que "um tsunami vai varrer o PT do governo". Em um evento que oficializou a candidatura do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha ao governo paulista, Lula lembrou da falta de água pela qual o Estado tem passado nos últimos meses.

"Por que eles não colocam um tsunami para trazer água para o Sistema Cantareira?", indagou o ex-presidente, que declarou apoio às campanhas de Padilha para o governo do Estado e de Eduardo Suplicy para o Senado. 

O ex-presidente Lula também participou do evento que oficializou a candidatura de Alexandre Padilha e Eduardo Suplicy
O ex-presidente Lula também participou do evento que oficializou a candidatura de Alexandre Padilha e Eduardo Suplicy

O candidato petista ao governo paulista, que tenta romper uma hegemonia de 20 de governo tucano no Estado, também rebateu às afirmações da oposição. "O problema é que de água o PSDB não entende. O tsunami deles não leva água nem para as casas paulistas", disse Padilha.

A ministra da Cultura, Marta Suplicy, chegou atrasada ao evento porque estava participando da inauguração do Museu Pelé, em Santos. Em seu discurso, ela afirmou que o PSDB "teve oportunidade, mas não fez" o que poderia ter sido feito pelo Estado e que agora chegou a hora de mudar de partido no Palácio.

"Quanto mais difícil, mais junto a gente tem que estar", disse ela, pedindo o apoio da militância petista na campanha de Padilha.

A presidente Dilma Rousseff, que não pode comparecer ao evento devido a um compromisso com a chanceler alemã Angela Markel, em Brasília, mandou uma mensagem em vídeo. "São Paulo precisa se livrar desse volume morto (se referindo ao PSDB). Você, Padilha, é o volume vivo, com tudo que o Estado precisa", declarou.

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, também apoiou o colega, lembrando de sua própria eleição. "Com o apoio de Lula, Dilma e do PT, eu cheguei à vitória. Tenho certeza que você também chegará", afirmou.

Em seu discurso, o prefeito ressaltou a participação do ex-ministro da Saúde em projetos e programas federais, como o Mais Médicos. Além disso, enalteceu as conquistas do governo federal petista, dizendo que o número de universitários no País dobrou nos últimos 12 anos.

Ao chegar no evento, Lula, que foi recebido pela bateria da escola de samba Gaviões da Fiel, foi ovacionado por militantes petistas que ocupavam todo o Ginásio do Canindé. Durante seu discurso, o ex-presidente lembrou das vaias que Dilma recebeu durante a abertura da Copa do Mundo, na Arena Corinthians, na última quinta-feira.

"O mais grave é que foi utilizado o palavrão no setor do estádio em que as pessoas tinham 'cara' de tudo, menos de trabalhadores", disse o ex-presidente, se referindo ao setor mais nobre do estádio.

"Se em 2012, nós fizemos uma campanha para a esperança vencer o medo, hoje, nós precisamos fazer uma campanha para vencer o ódio", afirmou Lula. Segundo ele, os tucanos possuem um ódio contra os petistas por encontrarem neles uma concorrência à altura.

Tags: Aécio Neves, campanha, Eleições, Lula, política

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.