Jornal do Brasil

Domingo, 21 de Dezembro de 2014

País

Comitê Popular da Copa protesta em frente à casa de Marin

Grupo diz que FIFA, CBF e construtoras são responsáveis pela morte de operários em obras para a Copa

Jornal do Brasil

Nesta sexta-feira (06), a seis dias do início dos jogos da Copa do Mundo da FIFA no Brasil, o Comitê Popular da Copa de SP realizou, em frente à casa de José Maria Marin, presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo (COL), um protesto seguido de enterro simbólico dos dez trabalhadores que morreram na construção dos estádios para o mundial.

Segundo os movimentos sociais, coletivos e militantes presentes, o objetivo da ação foi expor, na figura de Marin, a FIFA, a CBF e as construtoras, como responsáveis pelas mortes dos operários devido às condições precárias de trabalho e segurança oferecidas a eles.

Grupo realiza ação em frente à casa de José Maria Marin
Grupo realiza ação em frente à casa de José Maria Marin

A região dos Jardins, onde fica a casa de Marin, amanheceu coberta por pôsteres denunciando "A Copa das Mortes". O material colado nos postes e lixeiras traz os nomes dos trabalhadores e a "exigência de pensão vitalícia para as famílias dos operários mortos e incapacitados em acidentes de trabalho". Os manifestantes caminharam até a casa do presidente da FIFA e do COL carregando uma coroa de flores, velas e cartazes com os rostos das vítimas.

Houve uma intervenção teatral nomeada "Inauguração da Copa das Mortes", em que foram encenadas mortes de operários na construção civil, legitimadas por figuras como o "Tio Sam", empresários da FIFA e da construtora Odebrecht. Os personagens cortaram uma fita inaugurando as mortes e as violações de direitos cometidas em nome dos megaeventos e sua lógica.

Em São Paulo, a empresa Odebrecht é responsável por três mortos no Itaquerão. Fábio Luiz Pereira e Ronaldo Oliveira dos Santos foram mortos em novembro de 2013, quando um guindaste caiu sobre parte do estádio. Em março deste ano, Fabio Hamilton da Cruz não resistiu aos ferimentos causados pela queda de um canteiro de obras nas arquibancadas provisórias e faleceu.

Em 2012, José Maria Marin foi escrachado por conta de seu apoio à ditadura militar no Brasil. Durante o regime militar, Marin foi deputado estadual pela ARENA e governador biônico de São Paulo. Ele é acusado de ter sido delator de Vladimir Herzog, morto sob tortura nas dependências do DOI-CODI.

Tags: cbf, Copa, Fifa, marin, mortes, Obras, protesto

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.