Jornal do Brasil

Domingo, 24 de Junho de 2018 Fundado em 1891

País

Secretários de Segurança apresentam sugestões para conter criminalidade

Jornal do Brasil

Secretários de Segurança Pública de quatro estados – Rio de Janeiro, Espírito Santo, São Paulo e Minas Gerais – levaram hoje (4) ao Congresso Nacional propostas de mudanças legislativas para endurecer o tratamento a determinados crimes que têm aumentado nas grandes cidades. Preocupados com o crescimento da criminalidade, apesar do aumento do trabalho das polícias, os secretários se reuniram com os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado para pedir apoio aos projetos e a ampliação do debate com a sociedade.

Ao todo, foram sugeridas 13 mudanças legislativas e cinco administrativas, entre elas o pedido de que sejam considerados hediondos os crimes de homicídio de agentes do Estado, como policiais e professores, o de roubo qualificado, com o uso de arma ou que envolva mais de uma pessoa, os roubos com lesões corporais graves e a receptação qualificada, que envolve a revenda do bem ou uso em atividade industrial. A mudança de qualificação desses crimes faz com que eles passem a ser considerados mais graves e dificulta o acesso do criminoso a benefícios como progressão de regime e livramento condicional. Para este último, os secretários pedem ainda que volte a ser exigido exame criminológico antes da libertação do preso.

Também entraram na proposta a sugestão de aumento do tempo máximo de internação de menores de idade de três para oito anos, em caso de atos infracionários equivalentes a crimes hediondos. O aumento da participação dos jovens com menos de 18 anos nos crimes preocupa os secretários, e o projeto foi apontado como uma alternativa à sugestão de redução da maioridade penal.

Da mesma forma, os secretários demonstraram preocupação especial com o aumento dos crimes de furto e roubos, que cresceram 40% nos últimos anos. Como o principal produto desse tipo de crime tem sido os celulares, o pacote de sugestões administrativas inclui a proposta de que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) regulamente a possibilidade de bloqueio dos aparelhos a pedido da polícia. Eles também reivindicam que a Anatel proíba a habilitação de aparelhos sem que seja informado o número de identificação dos equipamentos, conhecido como Imei, na sigla em inglês.

Há ainda o pedido de dispensa de licitação para compra de equipamentos, bens e serviços que estejam relacionados a necessidades básicas da segurança pública e o incremento do controle de fronteiras para combater os tráficos de armas e drogas. Na parte das sugestões que trata da relação da segurança com o consumo de drogas, os secretários sugeriram que o Poder Judiciário organize juizados especiais criminais para lidar com usuários de crack e outras drogas, de modo a facilitar o encaminhamento deles a tratamento qualificado.

Após a apresentação do pacote de propostas aos presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), os quatro secretários concederam entrevista coletiva na qual enfatizaram que as sugestões foram baseadas em problemas comuns aos quatro estados que compõem a região mais populosa do país.

“Nós temos feito muitas prisões, muita apreensão de drogas, a polícia tem trabalhado muito. Mesmo assim, temos observado aumento na criminalidade e queremos chamar a sociedade ao diálogo, porque esse problema não é só da polícia", disse o secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame. Segundo ele, "um problema muito sério" é o das pessoas que voltam a cometer crimes – 80% das pessoas que são levadas às delegacias acabam saindo sem ser presas. "Não porque o delegado não queira, mas porque é facultado a elas sair. Temos problema também sério com o incremento do uso de menores em crimes”, acrescentou.

O secretário de Minas Gerais, Rômulo de Carvalho Ferraz, destacou que o debate que precedeu a formulação das sugestões levou os gestores a evitar “a lógica de apenas aumentar penas” e a propor outras medidas que tenham efetividade no controle da criminalidade. “A segurança pública, que no passado ocupava o quarto ou quinto lugar na lista de preocupações do cidadão, agora ocupa o segundo lugar. E só perde para saúde. Isso mostra que é necessária uma correção de rumos”, afirmou Ferraz.

A busca por resolução das chamadas “causas estruturantes” do aumento da criminalidade, entre elas o arcabouço legal fraco e a impunidade, está no cerne dos projetos, ressaltou o secretário de Segurança do Espírito Santo, André de Albuquerque Garcia. “Não é possível mais discutir segurança pública no país com a máxima de que precisamos de mais polícia. A polícia tem feito o seu trabalho”, enfatizou.

Na mesma linha, o secretário paulista, Fernando Grella Vieira, ressaltou que os consecutivos recordes de prisões e apreensões de drogas mostram que a polícia têm trabalhado mais e mesmo assim não tem conseguido conter o aumento dos números de roubos e crimes violentos. “O pacote de sugestões veio para chamar o Congresso Nacional e a sociedade a participarem do debate sobre o assunto.”

Os secretários saíram com a promessa do presidente da Câmara de que uma comissão especial será criada na Casa para discutir as propostas de maneira prioritária. No Senado, eles foram convidados pelo presidente Renan Calheiros a participar de debate, no dia 15 de julho, sobre a proposta de emenda à Constituição que trata da redução de recursos judiciais, de modo a tentar tornar mais rápida a punição de criminosos condenados.

Agência Brasil


Tags: Beltrame, criminalidade, redução, secretárias, segurança

Compartilhe: