Jornal do Brasil

Sábado, 20 de Dezembro de 2014

País

Líderes não conseguem acordo para acelerar votação do Supersimples

Agência Câmara

Os líderes partidários não conseguiram acordo para retirar alguns destaques e acelerar a votação do projeto que incluiu setores de serviços no Supersimples (PLP 221/12). Um destaque sobre o setor de bebidas alcóolicas foi retirado, mas ainda restam cerca de dez destaques.

Houve a tentativa de unir várias demandas das categorias em uma só emenda, que contemplasse corretores de seguros e de imóveis, advogados e fisioterapeutas, mas o governo foi contra.

O líder do governo em exercício, deputado Henrique Fontana (PT-SP), ressaltou que a união dessas categorias em um só texto aumentaria as chances de derrota do governo.

Cada destaque precisa de votação nominal, o que torna o processo mais lento, já que cada votação nominal demora cerca de uma hora. Para ser aprovado, o destaque precisa do apoio de 257 deputados.

Benefício a corretores

O deputado Armando Vergílio (SD-GO), que defende a diminuição de impostos de corretores, avisou que as lideranças podem começar a obstruir as votações se houver esvaziamento do Plenário. Isso porque, quanto mais deputados em Plenário, mais chances de aprovação de uma emenda ou de um destaque.

O líder do governo, no entanto, disse que a orientação do governo é para rejeitar os destaques.

O texto-base do Supersimples foi aprovado no dia 7 de maio. A grande inovação do texto foi permitir que vários setores de serviços sejam incluídos nessa modalidade de tributação. Serão beneficiados, por exemplo, arquitetos, contadores, corretores, advogados, jornalistas, fisioterapeutas, entre outros.

Tags: câmara, discussão, imposto, projetos, unificado

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.