Jornal do Brasil

Quarta-feira, 22 de Outubro de 2014

País

Dilma reage a críticas de dirigente da Fifa sobre organização do Mundial

Jornal do Brasil

Em entrevista à TV Bandeirantes, divulgada nesta terça-feira, a presidente Dilma Rousseff afirmou que o governo não admitirá qualquer tipo de baderna durante a Copa do Mundo. Ela explicou que ofereceu o auxílio das Forças Armadas aos governadores de todos os 12 estados-sede de jogos da Copa. "Não admitiremos, não admitiremos mesmo, que haja qualquer tipo de baderna tentando impedir que as pessoas assistam à Copa do Mundo, que as pessoas tenham acesso à Copa do Mundo", disse.

Dilma enfatizou que as manifestações são "absolutamente legítimas", mas o que "não é legítimo, não é democrático, é o quebra-quebra, destruir propriedade privada e pública e muito menos, porque aí é crime, tirar vida humana".

>> A razão das passeatas

>> A Copa, o Catar, a corrupção e as passeatas

>> Quem é a responsável pelas passeatas, a Copa ou a corrupção?

>> O jogador milionário, o Brasil e o torcedor pobre

>> Blatter não tem categoria para falar de Lula e do Brasil

>> Copa: o grito do povo deixa claro quais são os alvos das manifestações

A presidente também repudiou as críticas do secretário-geral da Fifa, Jerôme Valcke, à organização do Mundial. Ela disse que "há muito tempo não tem concordado com muita coisa". "O Brasil é muito capaz de fazer as duas coisas, de lutar pela Copa, pela taça, pelo campeonato", acrescentou. 

Valcke afirmou que o Brasil está mais preocupado em ganhar a taça do que em organizar a Copa. No entanto, Dilma afirmou: "É incorreta a forma pela qual um país que recebe a Copa é obrigado a escutar certas considerações indevidas a respeito de si mesmo e de sua soberania, um país que tem condições, de forma absolutamente ordeira, de fazer a melhor Copa do Mundo", concluiu.

Tags: Copa, Críticas, fifga, reação, valcke

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.