Jornal do Brasil

Sábado, 24 de Fevereiro de 2018 Fundado em 1891

País

STF decidirá no dia 11 se vale norma do TSE que mudou número de deputados 

Jornal do BrasilLuiz Orlando Carneiro

O plenário do Supremo Tribunal Federal vai decidir, na sessão plenária do próximo dia 11, se é ou não constitucional a resolução do Tribunal Superior Eleitoral aprovada no ano passado - e referendada na última terça-feira (27/5) - que ampliou as bancadas na Câmara dos Deputados de cinco estados e diminuiu as representações da Paraíba, do Piauí (menos dois deputados), do Rio de Janeiro, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Paraná, Pernambuco e Alagoas (menos um cada).

Constam da pauta, divulgada neste fim de semana, três ações de inconstitucionalidade propostas, em abril do ano passado, pelo Governo do Espírito Santo (Adin 4.947) e pelas mesas das assembleias legislativas do Piauí (Adin 5.020) e de Pernambuco (Adin 5.028). O relator das três ações é o ministro Gilmar Mendes.

As mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal ingressaram com ações similares, na última semana, contra a decisão do TSE que referendou a Resolução 23.389/13. Mas estas ações devem ficar prejudicadas em consequência da decisão a ser tomada no próximo dia 11 referente às Adins oriundas daqueles três estados, que se consideraram prejudicados.

Parecer da PGR

O relator, ministro Gilmar Mendes, já recebeu (em agosto do ano passado), o parecer do então procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pela rejeição dessas ações. Ou seja, pela "possibilidade de o TSE rever, com base nos dados demográficos do IBGE, a distribuição das 513 vagas de deputado federal da Câmara dos Deputados, inclusive mediante redução do número de cadeiras de algum estado-membro, desde que nenhum deles tenha menos de oito ou mais de 70 deputados (art. 45, parágrafo 1º da Constituição)".

Argumentos

Nas ações já em tramitação final no STF desde o ano passado, os estados que tiveram bancadas reduzidas alegam que o artigo 45 da Constituição é claro ao dispor que a representação por estado e pelo Distrito Federal na Câmara dos Deputados "será estabelecida por lei complementar".

A maioria formada no TSE - ao julgar uma petição da Assembleia Legislativa do Amazonas - entendeu que a Lei Complementar 79/93 "complementou" a norma constitucional, não havendo necessidade de edição de novas leis complementares sempre que os censos do IBGE atualizem os números referentes às populações dos estados e do DF.

Na última terça-feira, o TSE, por unanimidade (inclusive com o voto do ministro Dias Toffoli, presidente) ratificou a resolução do ano passado.

No entanto, a questão não é pacífica no STF. Naquela oportunidade, os dois ministros vencidos no TSE (Marco Aurélio e Cármen Lúcia) são também do STF. E eles votaram no sentido de que a LC 79/93 é inconstitucional quando subdelega ao TSE a competência administrativa de reajustar o número de deputados, automaticamente, conforme o apurado nos censos populacionais.

Posição do MPF

No parecer enviado ao STF, o chefe do MPF afirma que "a interpretação mais coerente parece ser a de que o TSE, com funções administrativas no âmbito eleitoral, realizará os cálculos e, em seguida, fornecerá a distribuição das vagas aos tribunais regionais e aos partidos políticos". Para o procurador-geral da República, "esse entendimento alinha-se ao plexo de competências do Tribunal, como o de 'expedir as instruções que julgar convenientes à execução'do Código Eleitoral, e a de 'tomar quaisquer outras providências que julgar convenientes à execução da legislação eleitoral'".

"A contínua aplicação da norma da irredutibilidade, engessando o número de deputados por unidade federativa, negaria vigência a parte do artigo 45 da Constituição, que prevê que a representação seja proporcional à população. É matematicamente impossível alterar periodicamente a representação dos estados se for preciso observar, ao mesmo tempo, o limite máximo dos membros (513) e a irredutibilidade da representação de cada estado-membro".

Tags: Supremo, Tribunal, bancadas, federal, redução

Compartilhe: