Jornal do Brasil

Terça-feira, 2 de Setembro de 2014

País

Reintegração de posse de terreno em São Paulo caminha para o final

Agência Brasil

O processo de reintegração de posse em um terreno ocupado por cerca de 1,2 mil famílias sem teto em 300 barracos, no bairro Jardim São Luís, zona sul da capital paulista, caminha para a finalização, informou a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU). Segundo a CDHU, não houve incidentes ou violência na retirada das famílias e demolição dos barracos no período da tarde.

No início da manhã, a Polícia Militar (PM) auxiliava na desocupação da área quando um homem se recusou a sair do barraco. Policiais negociaram a saída, mas outros moradores puseram fogo em pedaços de madeira para protestar. Para dispersar o grupo, a PM usou bombas de efeito moral. O major Maurício de Araújo, responsável pela operação, disse que a ação durou cerca de três minutos e que não houve feridos. Uma mulher, moradora de outro assentamento, foi detida por desacato aos policiais e por obstrução à Justiça.

A determinação de reintegração de posse partiu da 7ª Vara Cível do Foro Regional de Santo Amaro, com pedido de ajuda da Polícia Militar na operação. A Secretaria Estadual de Segurança Pública informou que duas reuniões foram feitas neste mês, entre moradores e seus advogados e representantes da CDHU e da Polícia Militar, nos dias 16 e 26. Mil panfletos sobre a reintegração de posse foram impressos e distribuídos no assentamento. 

A companhia informou que o terreno ocupado está em uma área de proteção ambiental que integra o Conjunto Campo Limpo e começou a ser ocupado em abril. “Ao tomar ciência dos fatos, a CDHU reuniu-se com os invasores e tentou convencê-los a desocupar a área pacifica e voluntariamente, enquanto verificava a possibilidade de atendê-los via programas de parcerias”, disse a instituição.

De acordo com a CDHU, como não houve êxito, a Justiça foi acionada. No dia 28 de abril, foi deferida a liminar para reintegração de posse. A CDHU colocou à disposição dos moradores 20 caminhões, 80 ajudantes, cinco vans e uma ambulância, além de funcionários das áreas de apoio.

Tags: capital paulista, famílias, retirada, sem teto, terreno ocupado

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.