Jornal do Brasil

Sexta-feira, 25 de Julho de 2014

País

RS: dona de loja amarra suspeito de golpe até chegada de PMs

Portal Terra

A dona de uma loja amarrou, no sábado, um homem suspeito de tentar aplicar um golpe no dia anterior, em Passo Fundo, no interior do Rio Grande do Sul. Maria Aparecida Paixão conseguiu prender o homem, que não reagiu, até a chegada de policiais.

Segundo Maria, um homem ligou e se identificou como o patrão de um Centro de Tradições Gaúchas (CTG) e pediu 10 pares de botas que precisaria para um rodeio. Apesar de conhecer o verdadeiro patrão, a lojista não identificou que era outra pessoa pela similaridade da voz.

“Veio aquele cara, se identificou, me cumprimentou: ‘o patrão me mandou buscar as botas’. Naquilo, tocou o telefone, eu atendi, e era o suposto patrão. ‘Maria, já chegou aí (o funcionário)? Então pode liberar as botas para ele que de noite eu te pago’”, diz a dona da loja. À noite, ela foi a um jantar no CTG e, quando conversou com o verdadeiro patrão, descobriu que havia caído em um golpe.

Na manhã do dia seguinte, sábado, ela ligou diversas vezes para o número que havia pedido as botas, mas ninguém atendeu. Por volta das 11h, o falso patrão liga para ela novamente, pede desculpas por não ter ido ao jantar, pede mais um par de botas – dessa vez para sua filha – e diz que pagaria na segunda-feira.

Maria responde ao telefone: “’Pode mandar buscar. Mande. Segunda, acerta junto. Se não puder segunda, acerte a hora que você puder’. Daí eu me preparei. Avisei todos os vizinho, fui na Bike Patrulha (policiais militares a bicicleta). Os guris (PMs) me deram o celular deles. E quando eu vi, veio o mesmo homem, não veio a guria”, diz a dona da loja.

Maria explica que uma funcionária saiu para chamar a polícia e avisar os vizinhos. A porta da loja foi trancada com o suposto estelionatário dentro – além de dois clientes e a dona. A lojista pegou uma corda e amarrou o suspeito, que não reagiu. “Deixou. (Eu) disse que, se ele se mexesse, eu ia arrancar as tripas dele com uma faca. (...) Mas ele ficou debochando. Disse que não ia preso, que isso não dar nada. Daí ele disse assim: ‘eu só ganhei R$ 40 do pelego para pegar essas botas’. Ele entregou (o mandante).”

A dona da loja diz que o suspeito entregou nome e endereço do mandante depois que foi preso, mas este ainda não foi encontrado. Maria diz que, quando foi na delegacia na manhã desta-segunda-feira, o suposto estelionatário continuava na cadeia.

Tags: comerciante, gaucha, golpista, prisão, tradições

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.