Jornal do Brasil

Domingo, 21 de Dezembro de 2014

País

Professor usa jogos para ensinar tabuada em SP 

Portal Terra

Na cidade de Piquete, no interior de São Paulo, um professor da rede municipal de ensino encontrou uma maneira de deixar o aprendizado da tabuada mais divertido. Por meio de programas educativos e de um jogo de tabuleiro de sua autoria, Luciano da Silva Vieira complementa suas aulas visando a garantia da apreensão do conteúdo pelos alunos, que, normalmente, apenas decoram os resultados das multiplicações. 

A ideia de unir o ensino pedagógico a métodos lúdicos veio de casa. “Eu tenho uma filha que está no quarto ano do ensino fundamental. Vi que ela estava com bastante dificuldade na tabuada. Estava decorando apenas. Se eu perguntasse algo fora da sequência, ela se queixava”, contou Luciano.  

O professor lembrou ainda que a memorização automática é um costume antigo nas escolas. “Eu mesmo decorei”, admitiu. Inspirado em um tabuleiro de jogo, Luciano pediu a ajuda de um amigo desenhista para criar uma versão maior, em tecido, com as multiplicações da tabuada. O brinquedo educativo recebeu o nome de Tabulândia.

Os conceitos da aula são revistos no laboratório de informática
Os conceitos da aula são revistos no laboratório de informática

Além da nova brincadeira, Luciano conta também com a informática para reforçar os ensinamentos transmitidos em sala de aula.  Programas e jogos educativos entretêm as crianças, que, em meio à diversão, acabam ficando mais íntimas dos números . O sistema operacional Linux 5.0 é o que tem sido mais usado pelo professor.

Segundo o docente, no ano passado, o método foi aplicado com sucesso na Escola Municipal Ignez Cardoso Ferreira, na cidade de Lorena. Luciano afirma que atingiu 100% de aproveitamento entre os alunos do ensino fundamental da unidade. 

Ainda em relação ao Tabulândia, o professor afirmou que o jogo não tem regras fixas e pode ser adaptado conforme às possibilidades de cada turma. Por enquanto, o tabuleiro feito de tecido é uma ferramenta de uso local, mas Luciano tem planos de espalhar o projeto para outras escolas do Brasil.

O docente disse que a eficiência do método será colocada à prova no final do ano-letivo em Piquete. Assim como aconteceu em Lorena, uma olimpíada interna testará os conhecimentos dos estudantes das séries inclusas no projeto. Na disputa, cada dupla terá um minuto para resolver cada multiplicação. O tempo será ampliado quando houver mais de um número no multiplicador. 

Tags: aulas, inovação, magistério, métodos, pedagogia

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.