Jornal do Brasil

Segunda-feira, 1 de Setembro de 2014

País

MST quer rapidez nas desapropriações e verbas para habitação rural

Agência Brasil

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) realizou ato hoje (14), no centro do Rio, reivindicando agilidade nos processos de desapropriação de terras e também mais verbas para a construção e reforma de habitações rurais. Os integrantes do MST estiveram na sede do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e na agência central da Caixa Econômica Federal.

A dirigente nacional do MST no Rio de Janeiro, Elisângela Carvalho, reuniu-se com funcionários da Caixa, enquanto outros membros ficaram na portaria do prédio protestando, tocando tambor e gritando palavras de ordem pela reforma agrária. "O movimento está fazendo uma jornada de lutas em nível nacional e uma das pautas é a questão do crédito à habitação. Era responsabilidade do Incra e agora passou à Caixa. Queremos entender como é o programa de habitação rural, para podermos encaminhar as famílias, pois é um processo que está emperrado para a construção e a reforma das habitações", disse Elisângela.

Segundo a dirigente, a Caixa informou que não há recursos, mas apenas a possibilidade de ampliação do programa, sendo necessário ir a cada superintendência regional onde os assentamentos estão localizados. De acordo com o MST, há necessidade de financiar mil unidades habitacionais só no estado do Rio. "Muitas famílias estão morando em barracas de lona e outras constroem casas em condições muito precárias. Em todo o país, o processo está muito demorado e as condições são muito ruins", afirmou, destacando que o valor para a construção de uma casa no campo é mais baixo do que nas cidades, onde o preço dos terrenos é mais valorizado. No campo, segundo ela, cada unidade custa em torno de R$ 28 mil.

A Caixa informou, por meio de nota enviada pela assessoria de imprensa, que recebeu os integrantes do MST, mas que as tratativas estão sendo conduzidas pelo Ministério das Cidades.

Tags: Atos, movimento, Rio, sem teto, trabalhadores

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.