Jornal do Brasil

Sábado, 21 de Abril de 2018 Fundado em 1891

País

Governo do RS diz que prisão de índios durante reunião foi inadequada

Jornal do Brasil

Em nota conjunta, a Secretaria de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR) do Rio Grande do Sul e a chefia de Gabinete do Governador do Estado afirmaram que foi inadequada a ação da Polícia Federal (PF), que prendeu, na sexta-feira (9), sete indígenas suspeitos de terem participado da morte de dois agricultores, no final de abril.

“Do ponto de vista legal e policial, nada temos a opor quanto ao cumprimento dos mandados. No entanto, do ponto de vista da solução do problema, a ação, realizada durante a reunião, relevou-se totalmente inadequada, já que interrompeu um momento muito importante de diálogo e construção de propostas que pacificariam o município e garantiriam o direito das duas partes”, diz trecho da nota assinada pelos secretários Elton Scapini, da SDR e Ricardo Zamora, secretário-chefe de Gabinete do Governador do Estado, que foi divulgada ontem (10).

A ação da PF para cumprir os mandatos de prisão foi realizada na última sexta-feira (9), em Faxinalzinho (RS), durante a realização de uma reunião com a participação da Funai, da prefeitura, de representantes de indígenas e de agricultores, bem como do governo do estado. O objetivo, segundo ao nota, era “criar o diálogo, a pacificação, o retorno às aulas, a desobstrução das estradas e avançar na construção de propostas para a resolução dos problemas”.

De acordo com o texto, os representantes do governo do estado foram surpreendidos com a ação da PF. “Não tínhamos qualquer informação de que tais mandados seriam cumpridos naquele momento”, conta. O documento diz ainda que representantes do governo pediram ao Ministério da Justiça “que coordenasse a questão, de forma a não aumentar a tensão social já existente no município”. Após o incidente, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, classificou o fato como uma “lamentável coincidência”.

Entre os sete detidos, está o cacique da aldeia da Reserva do Votouro, Kandóia Deoclides de Paula. Segundo a Superintendência Regional da PF do Rio Grande do Sul, o mandado é temporário, e os indígenas devem permanecer presos por 30 dias. Nesse período, a polícia deve seguir com a investigação, que corre em sigilo.

A região norte do Rio Grande do Sul vive um conflito entre produtores rurais e índios caingangues, que reivindicam a demarcação de áreas apontadas como territórios tradicionais indígenas. No dia 28 de abril, dois agricultores foram mortos a tiros e pauladas, após tentarem furar um bloqueio realizado por indígenas em várias estradas da região para reivindicar a demarcação de terras. Os índios protestavam contra o adiamento de uma reunião com Cardozo, que trataria do problema. Nova reunião foi marcada para o dia 22 de maio, em Brasília.

Na última quarta-feira (7), a Comissão de Agricultura da Câmara convocou os ministros da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, para darem explicações sobre o conflito entre produtores rurais e índios. Para os deputados Luis Carlos Heinze (PP-RS) e Giovanni Queiroz (PDT-PA), autores do requerimento, houve omissão do governo na região.

No dia 30 de abril, em evento no Ministério da Justiça, Cardozo negou omissão no caso e ponderou que a pasta tem agido de forma a tentar conciliar o conflito. Na ocasião, o ministro disse que não precisaria ser convocado para ir ao Congresso prestar esclarecimentos sobre o assunto.

Agência Brasil


Tags: RS, cooperativismo, desenvolvimento rural, indígenas, pesca

Compartilhe: