Jornal do Brasil

Domingo, 21 de Setembro de 2014

País

Deputado mais rico do país é proibido de entrar nas suas próprias empresas

Portal Terra

Por ordem do juiz Mauro Baldini, o deputado federal João Lyra (PSD-AL) – congressista mais rico do Brasil – está proibido de entrar nas próprias empresas, que estão sob decreto de falência do Tribunal de Justiça. Ele é acusado de intimidar os gerentes da massa falida das companhias em Alagoas e Minas Gerais. 

Segundo o magistrado, Lyra teria invadido, no último dia 7, entre 17h e 18h, o escritório das empresas no bairro de Guaxuma e ameaçado o administrador e gestor da massa falida Carlos Benedito Lima Franco e o gestor Felipe Carvalho Olegário. “Esse processo vai virar criminal”, disse o deputado, o que foi interpretado como ameaça de morte. O fato foi denunciado à Polícia Civil e formalizado em boletim de ocorrência.

Em Minas Gerais, segundo relato dos dois, funcionários demitidos no dia 19 de março pelos administradores da massa falida invadiram o escritório da unidade e retiraram documentos e equipamentos, a mando de João Lyra.  “A presença do Sr. João Lyra nos estabelecimentos da empresa tornou-se nociva às atividades desenvolvidas pela Massa Falida”, disse o magistrado Baldini, em sua decisão. 

“A situação demonstrada pelos administradores, está chegando ao limite por parte das ações 'nocivas' do sócio majoritário da respectiva empresa, com indícios de crimes falimentares, e possíveis riscos à integridade física dos administradores, haja vista, terem relatado serem vítimas de intimidações e demais 'transtornos incontornáveis'”, destacando ainda que ‘o caminho direciona para a parte criminal’”, explica, na decisão.

No final de abril, o mesmo juiz determinou o corte de 30% do salário do parlamentar – que tem uma fortuna declarada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de R$ 200 milhões – para pagar a dívida de um único processo trabalhista. A dívida total alcança R$ 2 bilhões.

Os principais credores do parlamentar federal – que responde ainda a uma ação penal por crime ambiental – são os bancos Calyon (Londres), Alcotra (Bélgica), Natixis (França) e Banco do Nordeste (Brasil).

Fazem parte da massa falida do grupo três usinas em Alagoas e duas em Minas Gerais, a empresa produtora de fertilizantes e adubos Jotaele, uma concessionária de automóveis, a empresa de táxi aéreo Lug e o hospital São Vicente de Paulo.

Tags: alagoas, falida, joão lyra, massa, proibição

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.