Jornal do Brasil

Sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

País

Oposição diz que não vai indicar nomes para CPI do Senado

Agência Senado

A oposição não deve fazer as indicações dos membros a que tem direito na CPI do Senado que vai investigar denúncias de irregularidade na Petrobras. Com o prazo perto de terminar, à meia-noite desta quinta-feira (8), o líder do PSDB, Aloysio Nunes Ferreira (SP), disse que mantém a posição de não escolher os integrantes, por considerar "ridícula" a hipótese de haver duas CPIs com o mesmo assunto no Congresso.

"Não tem cabimento isso, é uma coisa absolutamente ridícula: uma CPI no Senado e outra no Congresso para o mesmo assunto e as mesmas questões", disse.

A CPI do Senado será formada por 13 titulares e 13 suplentes. A base do governo já indicou dez senadores; as três vagas restantes cabem à oposição. O impasse se dá porque, nesta quarta (7), o presidente Renan Calheiros confirmou a criação de uma CPI mista (com deputados e senadores) também para investigar exclusivamente a Petrobras, abrindo prazo de cinco sessões para a indicação dos membros.

Para o PT, caso seja instalada e inicie seus trabalhos antes, o que só depende da indicação dos nomes da oposição, a CPI do Senado teria preferência em relação à CPI mista. A oposição prefere a comissão mista por acreditar que o governo teria menor controle sobre o andamento dos trabalhos.

O senador Alvaro Dias (PSDB-PR) lembrou que o PSDB já indicou nomes para a CPI mista e não pretende criar um "paralelismo" com a CPI do Senado.

"Esse paralelismo também é jogo de cena. O que se deseja é embaralhar todas as cartas para dificultar qualquer solução", reclamou.

Tags: comissão, estatal, inquérito, parlamentar, Petróleo

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.