Jornal do Brasil

Quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

País

Contagem descobre grande população de onças em região do MT

Portal Terra

Pesquisadores do projeto Bichos do Pantanal estão fazendo a contagem de onças-pintadas que habitam todo o corredor pantaneiro na região de Cáceres (MT). Já identificaram 54 animais diferentes em uma faixa de 300 quilômetros às margens do rio Paraguai, próximo à Estação Ecológica Taimã.

Nas décadas de 70 e 80 as onças praticamente sumiram do bioma pantanal, por causa da intensa comercialização internacional de peles para a moda. “Fiquei muito surpreso com essa contagem, porque isso já pode ser considerada uma grande população desse felino que está aumentando nos últimos anos”, comemora o americano Douglas Trent, que é coordenador de pesquisas do projeto Bichos do Pantanal.

Segundo ele, ativistas ambientais tiveram uma função primordial para coibir a caça voltada apenas para a extração da pele e as pessoas de modo geral estão mais conscientes que biodiversidade é patrimônio. “A onça continua na moda, só que apenas o desenho delas e isso é muito bom!”

A onça-pintada é um dos principais símbolos do pantanal, a maior planície inundável de água doce do mundo. Mais do que ser um símbolo, é o maior predador da região e, portanto, uma espécie indicadora de equilíbrio e saúde ambiental em todo o bioma.

Douglas estuda os animais há 34 anos e é um apaixonado pela fauna brasileira, suas peculiaridades e beleza exuberante. Ele explica que cada onça tem um padrão de pintas na testa. “Olha que incrível! É como se fosse a digital delas”, compara o especialista. Sendo assim, é possível fazer a contagem à distância de forma menos invasiva do que outros métodos, que usam, por exemplo, tiro com tranquilizante para imobilizar os alvos. Nesse caso, basta fazer a foto.

Por isso mesmo que todo mundo pode colaborar com a contagem. Turistas e outros pesquisadores já estão usando um aplicativo, o íNaturalis, hospedado no site do projeto, mandando fotos via mídias sociais, como facebook, por exemplo. O sistema é preparado para filtrar possíveis informações erradas.

Dessa mesma forma estão sendo contadas as baleias francas em Santa Catarina e os macacos muriquis em Minas Gerais.

Equilíbrio natural 

Na falta de onças, outros animais pantaneiros, como veado e a capivara, por exemplo, proliferam muito e devastam a flora local. Isso muda a ordem natural das coisas e o cenário pantaneiro.

“Por isso que preservar a onça, mantê-la sossegada em sua vida, é o mesmo que preservar o pantanal, da forma como ele é”, explica o pesquisador Douglas. “Esse bioma esteve em equilíbrio por mais de 15 milhões de anos. Não podemos deixar que isso acabe agora.”

Por outro lado, a superpopulação de onças também pode causar problemas, como ataques a humanos que vivem próximos. Um caso em 2008 chamou a atenção para isso. Um pescador, chamado Alex, vivia da venda de iscas para barcos-hotéis da região, que promovem a pesca turística.

“Naquele dia ele tomou muita cachaça em um barco e voltou bêbado para um acampamento que montaram, ele e o pai, em um local onde duas onças frequentavam próximo à Estação Taiamã”, conta o pesquisador.

 “Onça é um felino. Não sei se você tem gato em casa, mas se tem vai saber que gato é assim: se você o trata bem, ele te tolera. Se você o trata mal, ele não esquece. Mais cedo eles haviam espantado essas onças com foguetes barulhentos, mas elas voltaram, neste caso, por instinto e atacaram o pescador. O pai dele só ouviu um grito. Depois disso, voltou ao barco e juntou cerca de 20 homens para resgatar o corpo do filho. Quando chegaram lá, as duas onças estavam se alimentando dele. Eu vi as fotos, para não querer ver nunca mais”, relata Douglas, que, por força do ofício, já esteve próximo a elas diversas vezes.

Ele lembra ainda que as onças-pintadas são importantes também para o turismo local. Embora isso ainda seja bem mais incipiente no Brasil do que na Europa por exemplo. “Aqui recebemos 6 mil turistas por ano. A Espanha recebe 55 mil”, compara o pesquisador.

O projeto Bichos do Pantanal é realizado Instituto Sustentar de Responsabilidade Socioambiental com patrocínio da Petrobras.

Tags: animal, fauna, mato grosso, MEIO AMBIENTE, onça, Pantanal

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.