Jornal do Brasil

Terça-feira, 2 de Setembro de 2014

País

“A luta armada durante a ditadura foi um erro”, diz Franklin Martins

Agência Brasil

A declaração do escritor Domingos Pellegrini em um debate ontem (18) na 2ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, ainda repercute. Pellegrini disse que a ditadura no Brasil foi mais branda que os demais governos militares na América Latina. Em um seminário hoje (19), também na bienal, o jornalista Franklin Martins discordou dessa teoria.

“Tem gente que diz que a ditadura não foi brava assim. Mas você não diz se uma ditadura é branda porque morreu mais ou menos gente, e sim por ter amordaçado o país, impedido as pessoas de se expressar. A essência da ditadura é 'me aplaude que você vai se dar bem, me enfrenta que você vai pros quintos dos infernos'”.

Martins participou de um dos seminários do evento que lembram os 50 anos do golpe de 64. Convidado para contar sua experiência na luta armada durante a ditadura, o jornalista acredita ter sido um erro do movimento ter pego em armas contra as forças militares. “A luta armada foi um erro. Não porque não se pode fazer a luta armada, mas sim porque não fortalecemos a luta contra a ditadura. Muitos dos melhores, dos mais talentosos de nós, se expuseram e foram massacrados”.

Respondendo às perguntas do público, ele comentou sobre o trabalho da Comissão Nacional da Verdade (CNV), que pretende revelar pontos ainda obscuros no período de repressão no Brasil. Para Martins, se a CNV for capaz de fazer as Forças Armadas pedirem desculpas sobre os chamados Anos de Chumbo, o trabalho terá rendido frutos. “Para que o país possa seguir por um caminho certo, todos precisam reconhecer o que foi feito errado”.

Muito lembrado por ter participado do sequestro do embaixador americano Charles Elbrick, usado na troca por colegas presos pelo regime, Martins concluiu dizendo que o período mais difícil não foi enquanto esteve no Brasil, resistindo. “Para mim o exílio em Paris foi a pior coisa. Lá, eu era um cara fora da minha terra, enquanto as pessoas no meu país morriam”. Contudo, ele afirma não ter se arrependido da postura que adotou contra a ditadura militar. “Eu fico feliz que a gente deixou alguma coisa para vocês. Eu olho para a minha neta e sei que ela vai crescer em liberdade, e isso não tem preço”.

Tags: bienal, Brasília, declaração, ditadura, Escritor

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.