Jornal do Brasil

Segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

País

Pasadena era necessária para ampliar parque de refino, diz Graça Foster

Agência Senado

A presidente da Petrobras, Graça Foster, abriu a audiência pública no Senado, na manhã desta terça-feira (15), justificando a compra da refinaria de Pesadena, nos Estados Unidos. Segundo ela, o planejamento da compra foi feito numa época em que era necessário ampliar o parque de refino da empresa para processar principalmente o óleo pesado extraído do Campo de Marlin.

De acordo com Graça, o óleo pesado vale menos e é preciso agregar valor ao produto, o que requer uma refinaria mais complexa.

- Seria interessante refinar esse petróleo fora. A orientação era expandir a capacidade de refino em sintonia com mercados locais. Tínhamos que agregar valor ao óleo pesado - explicou.

A executiva lembrou que a refinaria americana está no maior mercado consumidor de gasolina no mundo, que é os Estados Unidos, onde são consumidos 8,5 milhões de barris por dia. O Brasil consome 736 mil; o Japão, 1 milhão.

O negócio da Petrobras nos Estados Unidos foi questionado porque, em 2006, a companhia pagou US$ 360 milhões por 50% da refinaria de Pasadena, um valor bem superior ao pago um ano antes pela belga Astra Oil pela refinaria inteira: US$ 42,5 milhões. Dois anos depois, uma decisão judicial obrigou a estatal brasileira a adquirir os outros 50% por mais de US$ 800 milhões.

Mais informações a seguir

Tags: depoimento, estatal, foster, Petrobras, senado

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.