Jornal do Brasil

Domingo, 26 de Outubro de 2014

País

Para governo, decisão do Congresso também será por CPI ampliada

Jornal do Brasil

Logo depois de anunciar, em plenário, o pedido de uma nova CPI mista, o líder do governo no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE), afirmou que deve prevalecer a opção de uma investigação ampla, abrangendo não só negócios da Petrobras, mas também contratos que envolvem os governos de São Paulo e Pernambuco, entre outros.

Pimentel observou que, caso a oposição questione o novo pedido, a Mesa do Congresso decidirá da mesma forma que a Mesa do Senado, ou seja, que prevalece a CPI mista mais abrangente. A posição do presidente Renan Calheiros, no entanto, ainda passará pelo exame da Comissão de Constituição e Justiça do Senado (CCJ).

"No Senado, a Mesa já resolveu, será apenas uma única CPI. Em 15 de abril teremos a leitura da CPI mista no Congresso, e deverá ter o mesmo desdobramento do que foi dado aqui na Mesa do Senado. Estamos investigando toda e qualquer denúncia que é feita nesse país. O governo Dilma não tem medo de apuração", disse Pimentel.

Quatro requerimentos

Já são quatro os requerimentos de criação de CPIs protocolados nos últimos dias: dois no Senado e dois no Congresso. Os pedidos iniciais foram feitos pela oposição, com objetivo de investigar apenas denúncias envolvendo a Petrobras, como a compra da refinaria de Pasadena, nos EUA. Em reação, o governo apresentou seus próprios requerimentos, ampliando a apuração.

O líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), afirmou que o governo não teme investigações e que já houve uma CPI da Petrobras, quando, segundo ele, foram investigados os casos das refinarias de Pasadena e de Abreu e Lima.

"Vamos agir com a seriedade devida, sem fazer palanque eleitoral. Investigaremos tudo, sem nenhuma preocupação da nossa parte. Agora, se a oposição quiser repetir o que ela fez na investigação que envolveu Demóstenes, Cachoeira e um governador, que já foi parlamentar, do PSDB, nós também saberemos enfrentar situações como essa", disse Chinaglia.

Chinaglia e o deputado Vicentinho (SP), líder do PT na Câmara, justificaram a necessidade de o Legislativo federal investigar denúncias de irregularidade em São Paulo porque o sistema de trens e metrôs do estado contar com verbas federais, financiamentos do BNDES com juros subsidiados e contratos internacionais aprovados pelo Senado.

"Estamos há 20 anos tentando instalar CPI no estado de São Paulo e o PSDB não deixa instalar para investigar o desvio de recursos no sistema de transporte metroviário e também no sistema do transporte ferroviário", acrescentou Pimentel.

Agência Senado

Tags: comissão, estatal, inquérito, parlamentar, Petróleo

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.