Jornal do Brasil

Sábado, 2 de Agosto de 2014

País

Lobão descarta racionamento de energia durante a Copa

Ministro esclarece declarações dadas a jornal americano

Jornal do Brasil

O Ministério de Minas e Energia divulgou uma nota, nesta sexta-feira, na qual esclarece declarações dadas pelo ministro Edison Lobão ao jornal americano Wall Street Journal. Segundo o jornal, o ministro teria dito que, caso o volume de chuvas não recomponha as reservas hídricas, o governo poderia pedir aos consumidores uma redução voluntária do consumo de energia, a fim de evitar riscos ao fornecimento durante a Copa do Mundo. 

Edison Lobão disse que considera muito baixo o risco de escassez de energia, e que o risco de racionamento compulsório está descartado. 

Na nota, o ministério afirma que o sistema elétrico brasileiro "dispõe de equilíbrio estrutural capaz de garantir, sem restrições, o abastecimento do país”, e que o governo montou um plano que garantirá o abastecimento de energia elétrica nas cidades-sede da Copa de 2014 – o que inclui, segundo ele, “dupla alimentação proveniente de subestações diferentes, reforço da transmissão e geração”.

Ainda segundo a nota, o ministro disse que, “independentemente do quadro atual, não se recusaria a recomendar à população que siga o seu exemplo pessoal de evitar o desperdício de energia, mas sem referir-se especificamente a qualquer evento”.

A entrevista de Lobão foi comentada pelo presidente da Eletrobras, José da Costa, hoje durante coletiva de imprensa. “Ao que parece, o ministro apenas reiterou o que sempre colocou, inclusive durante o discurso que fez em minha posse [na Eletrobras]. Ele defende a constante busca da racionalização e da eficiência da energia. E, de fato, penso que temos de intensificar o programa de racionalização, que é feito, e que tem de funcionar permanentemente, porque energia não é gerada para ser desperdiçada”, disse Costa.

Com Agência Brasil

Tags: abastecimento, agência, energia, Ministro, nacional

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.