Jornal do Brasil

Quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

País

Desmilitarização da polícia é reação de torturados, diz PM

Portal Terra

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 51, que propõe a desmilitarização do modelo policial no Brasil, é vista pelos policiais e bombeiros militares como uma reação de estudiosos torturados durante a ditadura militar, disse nesta sexta-feira o presidente nacional das Entidades de Policiais Militares e Bombeiros Militares, Leonel Lucas. Segundo ele, os militares não torturaram nem mataram os perseguidos pelo regime, mas "guardava os presos políticos". 

"Os antropólogos que fizeram esta PEC 51 foram judiados pela ditadura e eles têm a nós, os policiais militares, como filhotes da ditadura, coisa que a Polícia Militar nunca fez. A Polícia Militar, a única coisa que fez - como ordem das Forças Armadas - foi guardar os presos políticos em nossos quartéis. Esses antropólogos e os estudiosos de hoje, criando esta PEC 51, acham que desmilitarizar vai ser a melhor coisa para o Brasil. Não vai ser melhor para o Brasil. Melhor vai ser quando estes estudiosos realmente verem uma polícia única, um sistema único de segurança pública. Isso sim vai tornar o cidadão melhor, ele vai ter uma polícia mais qualificada, carreira única, terceiro grau para todos no Brasil", disse.

"Na verdade, defendemos uma polícia unificada, onde a sociedade não quer saber se é PM ou policial civil, quer saber se tem a segurança, quem vai defender. Não precisamos desmilitarizar, não precisamos tirar a farda para ela fazer um bom serviço. Temos que mudar os órgãos de segurança, sem precisar desmilitarizar", afirmou.

As declarações foram dadas durante o 7ª Fórum Nacional das Entidades Representativas de Policiais Militares e Bombeiros Militares do Brasil. É a primeira vez que o evento aconteceu no Nordeste. 

Uma das propostas é que o País tenha um "SUS da segurança"- seguindo modelo semelhante da saúde. Segundo Leonel Lucas, a "polícia está mal paga e o modelo está falido". "Para eles, não é interessante investir em polícia. Eles querem continuar tendo suas milícias subordinadas a ele. É uma polícia de governo, não de Estado", disse.

Tags: alagoas, polícia, propostas, segurança, SUS

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.