Jornal do Brasil

Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

País

Ideli faz balanço da articulação política em tom de despedida

Ricardo Berzoini deve assumir a Secretaria de Relações Institucionais

Portal Terra

A ministra Ideli Salvatti fez nesta quinta-feira um balanço de sua gestão, em tom de despedida, à frente da Secretaria de Relações Institucionais (SRI), pasta responsável pela articulação entre o Palácio do Planalto e o Congresso. Embora a ministra não confirme, petistas dão como certa sua substituição pelo deputado federal Ricardo Berzoini (PT-SP), com possibilidade de Ideli ser transferida para a Secretaria de Direitos Humanos.

“Eu quero deixar aqui registrado que, neste período, inclusive que eu estive à frente da Secretaria de Relações Institucionais, as matérias mais importantes para o país e para o governo foram aprovadas. Matérias que poderiam produzir dificuldades financeiras, orçamentárias, que pudessem afrontar a responsabilidade fiscal foram evitadas. Os vetos da presidenta, com todo um processo de negociação, foram todos mantidos”, disse a ministra, após se reunir com presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

Criticada por parlamentares da própria base aliada, Ideli afirma ser a ministra mais longeva na SRI, considerada uma pasta de difícil permanência. “Estou completando dois anos e nove meses, em uma tarefa que todo mundo brinca que tem prazo de validade. Estou quase com o dobro do tempo de quem mais ficou. Neste período nós tivemos muito apoio do governo, do presidente da Câmara e do Senado, dos líderes da bancada e tivemos a capacidade de, a partir dessa relação, produzir de forma extremamente positiva. Aprovamos o que era importante, evitamos o que era indesejado, mantivemos os vetos”, disse.

Questionada se sairia do ministério, Ideli disse que cabe à presidente Dilma decidir sobre a composição dos ministérios. “Estou aguardando a posição da presidente. A imprensa toda noticia, mas quem nomeia, demite e troca de lugar ministro ainda continua sendo a presidente Dilma e eu ainda a estou aguardando”, afirmou.

Confirmada a transferência de Ideli, será a segunda vez que a ministra será trocada de pasta. A ministra começou no governo Dilma, em 2011, no Ministério da Pesca. No meio do mesmo ano, no entanto, a presidente chamou a petista para a articulação e mandou o então responsável pela pasta, Luiz Sérgio, para a Pesca.

A atual ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, deve deixar a pasta para voltar à Câmara dos Deputados e tentar um novo mandato nas eleições de 2014.

CPI da Petrobras

Questionada se a criação de uma CPI da Petrobras seria um desgaste para sua gestão, Ideli disse que não se poderá admitir que a comissão ganhe tom político-partidário. Ela evitou comentar se o governo trabalhará pela retirada de assinaturas de senadores para evitar a investigação.

"CPI é do regimento, é da democracia. Agora, o que nós não podemos admitir, principalmente no caso da Petrobras, é que a questão político-partidária afete uma investigação que já está ocorrendo, que está inclusive sendo conduzida por órgãos fiscalizadores do governo, independentes do governo, como é o caso do Tribunal de Contas e do Ministério Público Federal", disse.

Tags: articulação, dilma, Governo, Ministério, mudança

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.