Jornal do Brasil

Sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

País

PF: doleiro movimentou cerca de R$ 90 milhões em quatro anos 

Alberto Yousseff teria pago propina a ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto da Costa

Jornal do Brasil

Após ter obtido a quebra de sigilo bancário de uma das empresas do doleiro Alberto Youssef, alvo das investigações da operação Lava-Jato, desencadeada para combater o crime de lavagem de dinheiro, a Polícia Federal (PF) informou que a "MO Consultoria e Laudos Estatísticos" movimentou cerca de R$ 90 milhões entre 2009 e 2013. O destino do dinheiro não foi divulgado pela PF.

A operação Lava-Jato foi realizada em seis estados e no Distrito Federal e prendeu 24 pessoas, entre elas Youssef e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto da Costa. Ambos estão presos na sede da PF em Curitiba. 

Segundo investigações da Polícia Federal, Alberto Youssef era um dos chefes da quadrilha, que lavava dinheiro através de várias empresas de fachada. As investigações tramitam em segredo de Justiça e revelaram que o grupo movimentou  R$ 10 bilhões.

A PF também investiga o suposto recebimento de propina pago pelo doleiro ao ex-diretor Paulo Roberto, para favorecer empresas em contratos para a construção da Refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco. Os pagamentos foram feitos entre julho de 2011 e julho de 2012. A obra orçada em R$ 2 bilhões já custou R$ 18 bilhões, segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), que constatou superfaturamento em alguns contratos.

A operação Lava-Jato foi realizada no dia 17 de março em 17 cidades do Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Mato Grosso e no Distrito Federal. As investigações eram realizadas desde 2013. A quadrilha  é responsável pela movimentação financeira e lavagem de ativos de diversas pessoas físicas e jurídicas envolvidas com vários crimes. Youssef morava em Londrina, no norte do Paraná, e foi preso em São Luiz, no Maranhão. Já Paulo Roberto foi preso no Rio de Janeiro.

Durante a ação, os policiais apreenderam carros de luxo, R$ 5 milhões em espécie, além de outros objetos de valor.

Tags: federal, Petrobras, polícia, propina, refinaria

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.