Jornal do Brasil

Quarta-feira, 1 de Outubro de 2014

País

Zimmermann descarta apagão de energia mesmo com estiagem

Secretário-executivo lembrou que "preço da energia não pode variar como o do tomate"

Jornal do Brasil

Em depoimento na audiência pública promovida em conjunto pelas comissões de Minas e Energia; de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; e de Fiscalização Financeira e Controle, o secretário-executivo do ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, descartou a possibilidade de um apagão de energia, mesmo com a estiagem prolongada.

Segundo Zimmermann, como a tendência é que a partir de maio as chuvas diminuam, o nível dos reservatórios dificilmente será recomposto, o que confirma a necessidade de utilizar usinas térmicas ao longo do resto do ano. Mesmo assim, ele não prevê riscos de desabastecimento. “Estamos acompanhando passo-a-passo, e a menos que haja uma piora considerável na situação, não trabalhamos com qualquer problema de abastecimento”, disse o secretário.

Já o deputado Jorge Boeira (PP-SC) questionou sobre um possível déficit de contratação [capacidade ociosa de transmissão] de energia pelas distribuidoras. Segundo Zimmermann, o ideal é realmente que as distribuidoras operem 100% contratadas e informou que o governo deverá realizar um novo leilão no dia 25 de abril para atender distribuidoras que estão descontratadas.

Secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia participa de audiência pública na Câmara dos Deputados
Secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia participa de audiência pública na Câmara dos Deputados

Quanto à expectativa de crescimento da demanda de energia pelas distribuidoras, Zimmermann disse que o ministério trabalha com a previsão de aumento do parque gerador instalado em 9 mil megawatts, o que inclui as hidrelétricas de Santo Antonio e Jirau.

Preço da energia não pode variar como o do tomate, diz Zimmermann

Márcio Zimmermann também afirmou que o governo não quer ter flutuação elevada nas tarifas de energia pagas pelos consumidores. "Não podemos transformar (o preço da) energia em tomates, que quando tem seca, sobe. Vimos uma forma de evitar flutuação de preços, através de mecanismos de mercado".

O secretário-executivo disse ainda que a relicitação de hidrelétricas cujas concessões vencem em 2015 deve neutralizar a alta na conta de luz provocada pelo uso mais intenso das usinas térmicas neste ano. “A tendência é de neutralidade”.

Segundo Zimmermann, ao serem licitadas novamente, as hidrelétricas vão levar a uma redução na conta de luz, já que as novas concessionárias vão ser remuneradas apenas pela operação e não mais por grandes investimentos, que já foram todos feitos pelas atuais administradoras.

O secretário negou que a prorrogação do impacto dos custos extraordinários no setor elétrico nas tarifas vá promover uma “explosão tarifária” a partir de 2015. 

Com informações da Agência Câmara

Tags: abastecimento, agência, energia, Ministro, nacional

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.