Jornal do Brasil

Quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

País

Líder do PCC, Marcola é transferido para isolamento em SP

Portal Terra

O principal líder do Primeiro Comando da Capital (PCC), Marcos Willians Camacho, o Marcola, foi transferido nesta terça-feira  da Penitenciária 2, de Presidente Venceslau, para o Regime Disciplinar Diferenciado (RDD), da Penitenciária de Segurança Máxima de Presidente Bernardes.

A transferência, realizada por volta das 13h, foi cercada por um forte esquema de segurança, com um comboio formado por diversas viaturas da Polícia Militar, e o helicóptero Águia, que acompanhou o comboio nos 42 quilômetros que separam os dois presídios.

Outros três líderes do PCC, que também cumpriam pena na P-2 de Venceslau, foram removidos com Marcola: Cláudio Barbará da Silva, o Barbará, Célio Marcelo da Silva, o Bin Laden, e Luiz Eduardo Marcondes Machado, o Du Bela Vista.

A transferência foi determinada pelo Tribunal de Justiça (TJ) como medida disciplinar para punir os quatro pelo plano de fuga que eles arquitetaram para sair da Penitenciária 2, onde cumpriam pena. O plano, que previa o uso de dois helicópteros, com atiradores usando armamento pesado, foi descoberto pelos setores de inteligência do Ministério Público e da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP).

Por enquanto, os quatro detentos vão cumprir 60 dias de prisão no RDD como medida cautelar, solicitada pelos juízes do Tribunal de Justiça, enquanto não se julga o mérito da ação. Se na discussão do mérito ficar comprovado que os quatro precisam continuar no RDD, a internação poderá chegar a 365 dias.

Durante os 60 dias, os quatro criminosos ficarão isolados por 22 horas e tomarão sol, individualmente, por duas horas por dia. Eles ficam proibidos de receber visitas íntimas e ter acesso a TV, rádio e jornais. Além disso, só poderão conversar com seus advogados por meio de um microfone e separados por um vidro.

Para algumas autoridades ouvidas pela reportagem, a principal vantagem do isolamento está na dificuldade que a facção terá com a quebra de comando. “Isolado, Marcola ficará impossibilitado de passar as novas ordens para seus comandados”, disse um juiz, que não quis ser identificado. No entanto, segundo um promotor, as próximas horas serão decisivas para se saber se o PCC vai praticar retaliações por conta da transferência de seu líder máximo para um regime de prisão mais rigoroso. Uma outra autoridade aposta que nada vai acontecer. "Eles (líderes do PCC) sabem que se ocorrer algum distúrbio, o isolamento cautelar de 60 dias poderá se transformar num isolamento de um ano", afirmou.

Tags: capital, comando, marcola, primeiro, transferência

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.