Jornal do Brasil

Quarta-feira, 30 de Julho de 2014

País

Dilma e Temer estão afinados: "PMDB só dá alegrias"

Jornal do Brasil

A presidente Dilma Rousseff e o vice Michel Temer analisaram nesta terça-feira as relações entre PT e PMDB e ambos usaram as mesmas palavras para definir a atual crise instalada principalmente na Câmara dos Deputados: "O PMDB só dá alegrias".

Após dois dias de intensas negociações com líderes do PMDB, Dilma minimizou a crise da aliança com o Executivo, e nesta terça, em Santiago, no Chile, onde participou da cerimônia de posse da presidente Michelle Bachelet, ela disse a jornalistas que o partido da base aliada só dá alegrias.

O ponto de discórdia é o líder da bancada na Câmara, Eduardo Cunha que, insatisfeito com a postura da presidência, teria formado um 'blocão' para pressionar as votações em plenário, e sugeriu que a aliança seja "repensada" devido à insatisfação de parlamentares.

>> Cunha avisa: "Tentar me isolar é isolar a bancada do PMDB"

>> Em encontro com Dilma, Michel Temer vai defender posição de Eduardo Cunha

O vice-presidente da República, Michel Temer, também afirmou na tarde desta terça-feira que as conversas que seu partido, o PMDB, conduziu ao longo do dia tiveram como objetivo a "pacificação absoluta" na relação com o governo federal. Para Temer, seu partido é um importante aliado, que apoia e ajuda o governo.

"(Tivemos) Bons diálogos, boas conversas e sempre com vistas à pacificação absoluta”, afirmou Temer a jornalistas. Temer assumiu interinamente a presidência da República nesta terça-feira, com a viagem da presidente Dilma ao Chile. 

Mais cedo, Temer se reuniu com o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) e o líder peemedebista na Câmara, Eduardo Cunha – que encabeça uma ala revoltosa contra a condução da reforma ministerial, o chamado blocão.

"A presidenta foi clara em dizer que o PMDB só dá alegrias. E só dá alegrias mesmo para o governo. Apoia o governo, ajuda o governo", afirmou Temer. 

Em Brasília, Temer conduziu dois encontros distintos. Na residência oficial do Jaburu, ele recebeu Alves e Eduardo Cunha, em uma conversa que, segundo relatos, deve ter sido “mais franca”. Já em seu gabinete, o presidente interino ouviu de Henrique Eduardo Alves um panorama de matérias que estão para ser votadas. A ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, chegou a participar de um momento da reunião. 

Tags: crise, partidos, PMDB, política, PT

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.