Jornal do Brasil

Terça-feira, 23 de Setembro de 2014

País

O 'Jornal do Brasil' e as Mulheres

Jornal do BrasilReinaldo Paes Barreto

O JB sempre foi um jornal relevante. Por que? Porque sempre foi pioneiro e inteligente (inter-legere: o que lê antes). Tanto assim, que foi o primeiro jornal carioca a compreender o movimento de redefinição da Cidade, traçado pela visão do prefeito Pereira Passos, e construiu a sua nova sede em 1908 -- a primeira data de sua fundação, em 1891, na rua Gonçalves Dias – no plano mais visível da recém-inaugurada Avenida Central, por sua vez a artéria de maior densidade cultural do país, naquele período. Era o mais moderno edifício da América Latina, no quarteirão nobre da “avenida que vai de mar a mar”!

Além disso, foi o primeiro periódico a criar conteúdos nunca dantes editados:

- uma coluna de música

- uma seção sobre teatro e cinema

- uma coluna sobre Carnaval (coma letra das marchinhas)

- a primeira seção para histórias em quadrinhos

- a primeira coluna sobre turfe

- e a primeira seção feminina

Em 1995, foi o primeiro jornal do Brasil (!) a replicar a sua edição impressa na internet.

E em 2010, o grande salto contemporâneo: o modelo exclusivamente digital. A notícia não se esgota com a sua publicação: ela pode ser constantemente atualizada pela informação complementar que inclui vídeos, novos depoimentos e debates.

E o JB digital ampliou, assim, a fronteira que gerou a meta de alcance do telefone celular: anytime, anywhere, anyone – em qualquer tempo, em qualquer lugar, para qualquer pessoa.

 A Mulher no 'Jornal do Brasil'

Pela primeira vez no mundo – muito provavelmente – uma mulher sentou-se como profissional na redação de um jornal. 

Foi no JB, em 1893. Essa jornalista chamava-se Clotilde Doyle e assinava a coluna “mundo feminino” com o pseudônimo de Branca. Dava conselhos para a vida cotidiana.

E pela primeira vez no mundo da imprensa, uma mulher – Maurina Dunshee de Abranches Pereira Carneiro, a Condessa Pereira Carneiro, ou “a Condessa” como todos a chamavam -- foi presidente e dirigente de um jornal. E foi do JB durante 30 anos! Poderosa, recebia as mais importantes autoridades do país, entre eles muitos presidentes.

Condessa à frente do 'Jornal do Brasil'
Condessa à frente do 'Jornal do Brasil'

Mas a redação, desde os anos 60, era um “apogeu de mulheres na redação”.  E embora a Condessa não atuasse diretamente na administração, ela estava a par de tudo e apoiava fortemente esse desafio de transformar o JB em um formador de quadros femininos.

E essas profissionais não gozavam de nenhuma regalia pelo fato de serem mulheres: ao contrário, recebiam missões como ir aos aeroportos de madrugada receber e entrevistar personalidade de interesse e, na sequência, cobrir crimes e situações de conflito: quebra-quebras, freves, etc.

Por isso, e por todas as razões, o JB presta uma expressiva homenagem à MULHER – sobretudo à brasileira e à mulher carioca em particular – pela sua permanente capacidade de transformar a "existência feminina" numa pequena obra de arte.

Tags: condessa, Dia, história, Jornal, mulher

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.