Jornal do Brasil

Segunda-feira, 28 de Julho de 2014

País

Após temporal, índice em reservatório sobe apenas 0,2% em SP

Portal Terra

O temporal que caiu em São Paulo nesta sexta-feira fez com que o volume do reservatório do Sistema Cantareira subisse 0,2% em relação à última medição, feita na manhã de ontem. Agora, o sistema opera com 16% de sua capacidade, mesmo com o acúmulo de 36,1 mm de chuva apenas ontem, quase metade da precipitação registrada em todo o mês de março (83,7 mm).

A Sabesp informou que seguirá a determinação dos órgãos reguladores do Sistema Cantareira – Agência Nacional de Águas (ANA) e Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) – e reduzirá a retirada de água das represas de 31 mil litros por segundo para 27,9 mil L/s. De acordo com a empresa, a medida será adotada assim que a companhia for notificada e dentro das condições que forem estabelecidas.

Para evitar o racionamento de água, a Sabesp tem tomado iniciativas como a utilização de outros sistemas para abastecer parte da população atendida pelo Cantareira.

“Hoje, até 1,6 milhão de pessoas recebem água dos Sistemas Alto Tietê e Guarapiranga. A empresa contratou ainda o serviço de semeadura de nuvens para estimular as chuvas na região das represas do Sistema Cantareira. Outra medida adotada foi a autorização, pelo governador Geraldo Alckmin, para a Sabesp utilizar a reserva estratégica de água das represas do Sistema Cantareira. As 17 bombas para a captação dessa água já estão sendo fabricadas. O investimento previsto é de R$ 80 milhões, com início da operação previsto para daqui a 60 dias. “, disse a Sabesp, por meio de nota.

O baixo nível das represas já havia levado a Sabesp a anunciar no início de fevereiro um plano de incentivo à economia de água, com descontos de até 30% nas tarifas de clientes atendidos pelo Sistema Cantareira que reduzirem o consumo em 20%.

Temporal

Nesta sexta-feira, o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) de São Paulo decretou estado de atenção devido ao risco de alagamentos em toda a cidade. Por volta das 18h, imagens de radar meteorológico indicavam precipitação forte em boa parte da zona sudeste, entre Vila Mariana, Ipiranga e Jaçanã, na zona leste, entre Vila Prudente e parte de São Mateus, assim como no extremo da zona sul, na região de Parelheiros e Engenheiro Marsilac.

No mesmo horário, o temporal provocou rajadas de mais de 50 quilômetros por hora no aeroporto de Congonhas, na zona sul. Por causa dos alagamentos, os trens da linha 8 da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), não estavam circulando entre as estações Barra Funda e Lapa

O CGE registrou 11 pontos de alagamento, oito deles intransitáveis. A Lapa, na zona oeste paulistana, tinha sete pontos de alagamento intransitáveis e um transitável. 

Tags: água, chuva, nível, paulo, são

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.