Jornal do Brasil

Quarta-feira, 17 de Setembro de 2014

País

"Justiceiro" mata adolescente inocente e é solto em SP

Portal Terra

Moradores da pequena Gastão Vidigal (SP) estão revoltados com a libertação de um homem que espancou a socos, até matar, um menino de 16 anos, na segunda-feira de Carnaval. O crime aconteceu na calçada em frente à Delegacia de Polícia e na presença de policiais militares e conselheiros tutelares da cidade. Preso em flagrante pela polícia, o encarregado de produção Fabrício Avelino de Almeida, 28 anos, foi colocado em liberdade pela Justiça no mesmo dia.?

O adolescente Renato Duarte Horácio, 16 anos, que morava em Guarulhos e tinha ido passar o Carnaval no interior, foi morto supostamente porque, em companhia da mãe e do irmão de 18 anos, fotografou o movimento da praça da cidade – ele queria levar as fotos como lembrança da viagem. 

As fotos, contudo, registraram crianças sem autorização. O pai e o avô dos menores acreditavam que eles estavam sendo vítimas de pedofilia. A Polícia Militar interveio e levou o jovem, a mãe e o irmão a uma delegacia. Eles foram liberados depois de constatado o mal-entendido. 

Contudo, Fabrício - que não tinha ligação com a confusão - apareceu na porta da delegacia e, quando o jovem estava saindo, desferiu socos no adolescente. Ele teria dito: "É pedófilo, então venha tirar a foto da minha filha, vem".

“Colocamos o menino dentro do carro para ir embora, mas mesmo assim, este homem correu para cima e o menino, talvez com medo, saiu pela outra porta, correndo”, contou a enfermeira Adriana Simonato, amiga da mãe da vítima.

“Mas ele não parou e correu atrás e encostou o menino no capô do carro da conselheira tutelar e começou a agredi-lo com socos na cabeça. Gritamos chamando a polícia e tentamos tirá-lo de cima do menino, mas ele é grandão. A mãe tentou apartar e também foi agredida. E ele só parou de bater quando o menino, junto com a mãe, caiu no chão, sofrendo convulsões”, contou Adriana. Segundo ela, o garoto foi levado para o Hospital São Domingos, em Nhandeara, cidade vizinha, onde médicos tentaram reanimá-lo, sem sucesso. 

O agressor, que é irmão da vice-prefeita da cidade, foi preso em flagrante por lesões corporais seguidas de morte, mas foi colocado em liberdade no dia seguinte pelo juiz plantonista José Manoel Ferreira Filho, da Comarca de Votuporanga. O advogado Agenor Maquezini, que defende o agressor, disse que seu cliente está em liberdade provisória concedida pela Justiça e que só vai falar sobre o assunto após a divulgação do laudo da causa da morte pelo Instituto Médico Legal (IML), que deve sair na próxima terça-feira.

Por enquanto, o agressor continua em Gastão Vidigal, o que revolta os moradores. “Não conseguimos compreender como uma coisa dessas aconteceu na nossa cidade. Pior ainda, como a Justiça mantém em liberdade uma pessoa que pratica um crime desses”, disse a comerciante Luísa Lourdes Ribeiro. “Esse homem é conhecido da PM por ser acostumado a arrumar briga aqui na cidade e na região, mas só que ele não tinha a ver com o fato. Ele foi lá só para espancar o menino”, disse Adriana.

O delegado de Gastão Vidigal, Abelardo Alves Gomes, disse que somente o surgimento de um fato novo poderá fazer com que Fabrício volte à prisão.  “Se continuar como está, ele responderá em liberdade”, contou. A reportagem tentou falar com o juiz José Manoel Ferreira Filho, mas o diretor do cartório, que atenderia a imprensa, não retornou as ligações.

Tags: Carnaval, interior, menino, morte, SP

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.