Jornal do Brasil

Sábado, 25 de Outubro de 2014

País

'The Telegraph': as vaias do Brasil para a Copa do Mundo de 2014

Jornal do Brasil

O jornal londrino The Telegraph destaca que a imagem do Brasil revela problemas faltando apenas 99 dias para a Copa do Mundo no país. Na matéria publicada nesta quinta-feira (6/3) o jornal diz que para as complexidades que enfrenta como um país em desenvolvimento, com 200 milhões de pessoas que vivem em circunstâncias muito diferentes, se encontra reduzido dos seus atrativos mais famosos: futebol, carnaval, praias e mulheres.

E comenta que o mercado exterior não recebeu com surpresa o lançamento da camiseta de uma marca famosa com o tema da Copa do Mundo onde aparece as curvas do corpo feminino, como uma das vantagem de se viajar para o torneio. As autoridades brasileiras reagiram com indignação e a empresa retirou as camisetas de circulação na semana passada, informa a reportagem. Mas o jornal considera que há "contradições" na imagem nacional. "Embora parecendo horrorizada com o sexismo perpetuado pela Adidas [empresa que lançou a camiseta] - o governo denunciou a tentativa de criar estereótipos sexualizados - o mesmo país comemorou o carnaval esta semana com a rede de TV principal, a Globo, usando uma sambista nua como sua musa", diz o texto.

O Telegraph chama o carnaval de "bacanal" e informa que, enquanto ele é realizado no país durante quatro dias, nas ruas do Rio de Janeiro imagens estereotipadas de "uma festa colorida e vibrante" é ofuscada por uma greve de garis, que deixou um acúmulo de lixo por toda a cidade. 

O jornal lembra que quando o Brasil foi escolhido como anfitrião do torneio, em 2007, a sua economia estava crescendo a uma ordem anual de mais de cinco%. No entanto, nos anos seguintes a economia se estagnou e os atrasos nos preparativos para a Copa levou a Fifa considerar a transferência das partidas para longe de uma das 12 cidades sede. Segundo a reportagem, as declarações otimistas no exterior do jogador Ronaldo, ex-atacante e garoto-propaganda do Brasil, membro do Conselho do LOC, não tem sido suficiente para evitar uma divisão no país. 

O jornal cita as manifestações realizadas no ano passado, durante a Copa das Confederações, que serviu como um ensaio geral para a Copa do Mundo de 2014, informando que as suas motivações foram por melhores transportes públicos, contra os altos gastos públicos com a Copa, por melhores qualidades de serviços na educação e saúde e maior segurança. "E eles [manifestantes] logo tornaram alvo a Copa do Mundo: faixas onde se lia "Fifa Go Home" e "não haverá uma Copa do Mundo" tornou-se uma visão familiar", diz o texto.

O jornal revela ainda que há preocupações dentro da Fifa de que os protestos aconteçam novamente durante a Copa do Mundo, e está testando um esquema milionário de segurança para atuar nas ruas. O apoio popular para sediar o torneio caiu de quase 80% de novembro de 2008 para cerca de 50% no mês passado, de acordo com dados do instituto de pesquisa Datafolha. Comitês populares foram criados nas 12 cidades sede com o objetivo de monitorar os preparativos para o torneio, além do seu impacto sobre os direitos humanos, incluindo a discriminação contra os pobres.

A matéria esclarece que muitas mudanças no transporte e na infraestrutura dos estádios foram realizadas para atender aos padrões da Fifa, "uma exigência que tem irritado quem acredita que os custos poderiam ser aplicados com outras prioridades, como saúde e educação". "O problema é o 'Fifa standard'. Ele não dá nada de volta ao país. A organização de um país é baixa para o estado, para o governo. Mas eles colocaram o dinheiro público em entregar um padrão que a Fifa exige. Nossos estádios são excelentes, mas eles têm que ter todo mundo sentado, tudo formal", diz Claudia Favaro, representante do Comitê Popular de Porto Alegre, ao jornal londrino. 

De acordo com o jornal, uma das queixas dos brasileiros são as remoções necessárias para abrir caminho para a infraestrutura, afetando cerca de 11 milhões de pessoas que vivem em favelas ou comunidades do tipo favela informais. E o legado percebido da Copa do Mundo pode ser decisivo quando os brasileiros vão às urnas em outubro, destaca a reportagem. 

Tags: Carnaval, Cidades, Copa, futebol, infraestrutura, problemas

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.