Jornal do Brasil

Sexta-feira, 1 de Agosto de 2014

País

Mesmo com chuva, nível em reservatório de SP cai para 16,2%

Portal Terra

O nível dos reservatórios do Sistema Cantareira, que abastece boa parte da Grande São Paulo, voltou a cair mais uma vez nesta terça-feira e chegou ao nível de 16,2% - o mais baixo da história. A companhia de abastecimento de São Paulo, a Sabesp, voltou a registrar novas quedas após a primeira elevação no nível, que foi registrada no dia 1º de março, quando as chuvas que caíram na região elevaram o nível em 0,2%.

De acordo com a Sabesp, São Paulo enfrenta hoje a maior crise hídrica de sua história, provocada pelo calor recorde e pelo mais baixo índice de chuvas dos últimos anos. Para frear esta queda e evitar um eventual racionamento de água na região metropolitana, a empresa ofereceu uma recompensa financeira aos usuários que economizarem água. Desde o dia 1º de fevereiro, segundo a Sabesp, quem diminui o consumo de água recebeu um desconto na conta de água. Segundo a companhia, o consumo caiu 3 mil litros por segundo na última semana, o que significa um volume de água suficiente para atender mais de 900 mil pessoas.

Além disso, mais de 1,3 milhão de moradores da zona leste que eram abastecidos pelo Cantareira passaram a receber água do Sistema Alto Tietê. Caso a situação continue crítica, a Sabesp poderá utilizar a água de uma reserva conhecida como “volume morto”. O governador Geraldo Alckmin já autorizou a retirada dessa água e engenheiros da empresa já elaboraram o pacote de ações para aproveitamento desse volume. O processo de compra de 20 bombas para a captação dessa água e das barragens está em curso. O investimento previsto é de R$ 80 milhões, com início da operação previsto para maio. 

Operação Carnaval

A Sabesp iniciou no dia 22 de fevereiro e manteve, durante todo o Carnaval, um mutirão para encontrar vazamentos de água na Grande São Paulo. Pelo menos 120 equipes, com 350 funcionários, verificam relatos feitos pela população nos municípios de Embu das Artes, Itapecerica da Serra, Embu-Guaçu, Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires e São Bernardo, além da zona sul da Capital, mais especificamente nas regiões de Santo Amaro, Americanópolis, Jabaquara, Cidade Ademar, Jardim Ângela, Capão Redondo, Grajaú, Parelheiros, Interlagos e Jardim São Luiz, totalizando uma área de 1.560 km2, com uma população de 3,8 milhões de pessoas.

A previsão é que, com esta força-tarefa, sejam executados os reparos de 3.200 vazamentos de água.

A previsão dos institutos de meteorologia é que as chuvas voltem aos níveis médios em março, possibilitando a recuperação do sistema. Segundo a Sabesp, em dezembro e janeiro as represas do Sistema Cantareira registraram o mais baixo volume de chuvas da história. Fevereiro também fechou bem abaixo da média.

Tags: água, estiagem, Reservas, rios, SP

Compartilhe:

Postar um comentário

Faça login ou assine para comentar.